domingo, abril 01, 2018

Cozinhar: Parte Infinita



Uma das minhas avós tem um livro que sempre me causou um misto de cólera e exaltação, chamado: " A Mulher na sala e na cozinha".

Esta obra-prima, de uma  prendada Laura Santos, mais do que um livro com receitas simples para eu ensaiar no fogão, como bacalhau de caldeirada à fragateira ou cabeça de porco com feijão branco e hortaliça, é na realidade um verdadeiro compêndio sobre economia doméstica,  que ensina  à mulher como trabalhar na boa ordem, asseio e zelo  da sua cozinha.

 Eu, que gosto de manter os amigos por perto, mas os inimigos mais  perto ainda, pedi-lhe o livro. A minha avó, que soube que eu, já com 16 anos, tentei  fazer puré no passevite com batatas cruas, deu-mo, esperançada.

Este livro da década de 70, que tem na capa uma jovem beleza de Petrarca, com uma graciosa blusa branca de decote drapeado e rímel nas pestanas de cima e de baixo (enfim, a imagem típica de quem acabou de fazer a tal cabeça de porco), teve sempre o condão de me fazer sentir um homem, e feio.

Num capítulo dedicado ao esmero e apresentação da refeição,  a D. Laura adverte, por exemplo, a pôr sempre na mesa  de jantar uma cestinha para o pão, coberta com um naperon de organdi, uma taça com fruta da época e uma cantarinha de barro com água fresca. Que estupidez. Com 4 filhos em casa, o mais novo de 6 semanas, mando-os beber água directamente da torneira e  atiro com umas carcaças para cima da mesa . Depois, é descascar umas tangerinas e obrigá-los a  limpar as mãos à toalha da mesa ou aos pijamas.

Mas, para mim, a parte mais perturbante do livro é aquela em que  a autora avisa insistentemente e deixa boa nota: a dona de casa deve levantar-se bem cedo de manhã- antes do marido, aprumar-se, arranjar o cabelo e maquilhar-se com discrição a fim de, quando este já se tiver levantado,  lhe levar uma xícara de café. A importância deste gesto? Toda. Ou é ela a preparar-lhe a chávena... ou será mais tarde a SECRETÁRIA DO MARIDO!

AUTCH!

Não deixo de achar ternurento ela fiar-se na ideia que mantém o marido de rédea curta com um bom penteado. Eu, pelo sim pelo não, e não obstante a minha farta cabeleireira, iniciei-me recentemente nas aulas de  POLE DANCE. Têm sido as piruetas (para já, no chão) mais complicadas que já dei em toda a minha vida mas, macacos me mordam se não estou dispensada da galinhola à transmontana!

E se um dia, precisar mesmo, mesmo de cozinhar, fá-lo-ei num total pranto, MAS calçada com os meus  novos sapatos de STRIPPER.

Desta não te lembraste tu, pois não Laura Santos? Rima: merda pra ti e os teus naperons de organdi .



3 comentários:

redonda disse...

estou a começar a "cozinhar" e levo tanto tempo a picar uma cebola que nunca conseguiria ainda levar café a marido ou namorado e com rimel em pestanas :)

M disse...

Não deixa de ser engraçado mas convém lembrar que esse livro deve ter uns 50 anos.
Drama dos grandes era isso ser editado em 2018. Agora temos blogs a mostrarem como uma esposa da alta sociedade se deve comportar!

Anónimo disse...

Mas por acaso não falam na "mulher no quarto", porque será? será que aí não tem regras e pode-se fazer tudo o que der na veneta? (se calhar o senhor esposo agradece...)