domingo, outubro 30, 2016

Quem fala a dormir?

Acordei de manhã e o Pedro estava de olhar vidrado, fixado em mim. Assustador...

" Eu com esta cara de cu e ele a olhar para mim" - pensei inocentemente.

- "Susana, sabes o que disseste esta noite?" - inquiriu.

 Medoooo, muito medoooo!!!!É verdade que eu falo muito a dormir. E durmo bastante.  Eu até acho que toda a gente fala mas, aparentemente,  eu consigo ir do simples balbuciar com os olhos revirados de sono,  para conversas completas e selectas, entrecortadas apenas por pequenos roncos devido ao meu desvio do septo nasal.

Já não é a primeira vez que o Pedro me consegue  reproduzir o nosso diálogo sonâmbulo, e confesso que não me sinto muito à vontade porque naquele estado lastimável, o meu interlocutor consegue  conduzir a conversa e perguntar coisas até níveis assustadores...

(Ele nunca me conseguiu tirar esqueletos do armário, mas sei que é uma questão de tempo, mais uns 5 ou 6 anos e vou-me espalhar ao comprido).

- "Sabes o que disseste?" - repetiu. Não percebi se ele estava nervoso ou apenas impaciente, mas como o Pedro é um ser praticamente robótico, sem emoções visíveis, fiquei em modo de hiper-ventilação.

"Que terei eu dito??? Pensa Susana, pensa!! O que fizeste nas ultimas 24 horas que te comprometesse? Ou 48 horas? Ai, pode ser até uma semana, um mês!! ARGHHHHHHHH PENSA!!!!!"

- "Não sei. O que é que eu disse?" - desisti. 

- "Bem, ontem fui deitar-me e como te encolheste, perguntei se estava tudo bem ..." - começou ele.

- "E eu disse o quê? ahhh Nossa Senhora do Pranto ajudai-me nesta hora ahhhhhh!)" 

"Tu disseste-me: DÓI-ME O PÉNIS!!!"

Credo.

"Mas não foi um simples "Dói-me o pénis" - continuou ele." Foi mesmo com ímpeto e vivacidade. " DÓI-ME O PÉNIS!!!! - " imitou ele.

Até hoje. Dou voltas à cabeça.

1.º - Por que raio me doeria o pénis?!
2.º - Por que motivo disse"pénis" em vez de de "picha" ou "mangalho", palavras que me são muito mais  usuais??

Olhei-o receosa. Mas ele ainda não tinha acabado a minha imitação e já se tinha escangalhado todo a rir na nossa cama.


Ufa,ainda bem que falei no meu (?!).  Também nunca falaria de outro, porque não ando propriamente a ver  pénis no meu quotidiano. Mas a realidade é que a dormir, o céu é o limite e caramba, se eu sonho, e muito! "Dói-me o Pénis", na minha humilde opinião, é simplesmente MUITO BOM. Palmas para mim própria.

sábado, outubro 15, 2016

INTERDITO A PAIS, SOGROS, TIOS E IDOSOS AFINS.

Estando eu e Pedro a ver a nova série “O Exorcista”, na nossa mais recente aquisição, chamada Raspberry Pi, (que eu nem sei explicar bem o que é, mas basicamente é um chip que contém todas as séries e filmes do mundo, quase todos com legendas em português  - SIM É VERDADE. Eu vi o 1.º episódio do Dr. Phil, emitido em 2002, ou seja, há 14 anos, ia morrendo de emoção);

Começámos a ouvir a nossa vizinha num chavascal sem precedentes. Não sei se alguma vez vos falei dela, mas é uma sensual e inteligente mulher divorciada, por volta dos seus 50 anos (o Pedro discorda, nada menciona quanto à sua sexyness (que é inegável), diz é que é muito burra por causa das reuniões do condomínio. Mas eu não acredito, dada a profissão dela - que não posso revelar;

Eu acho que ele está apenas a disfarçar o seu interesse platónico pela vizinha, porque é inegável que é muito sexy e sensual, logo só lhe resta aniquilar a inteligência para me aquietar o ciúme.

Basicamente, a senhora não faz o amor. Ela FAZ TUDO E UM PAR DE BOTAS e eu sou obrigada a ouvir TUDO, especialmente se vou à casa de banho e a intimidade dela entra-me TODA PELA CANALIZAÇÃO ADENTRO.

No início foi chocante. Estamos a falar de um chavascal de barulheira e gritaria e porcalhices que chegavam a durar 25 minutos!! Mas o que é isto?! Depois passou para interessante, posteriormente para irritante. E felizmente, o rapaz (20 anos mais novo) um dia desapareceu.

Entretanto, veio outro rapaz. Ditosamente, com este só sou obrigada a ouvi-los entre 10 a 15 minutos, haja algum bom-senso .

Voltando ao início, a tremer de medo a ver essa nova série “O Exorcista”, com Geena Davis, começo realmente a ouvir o que parecia ser uma possessão demoníaca, a da vizinha. Fui logo cuscar tudo à casa de banho. 

Quando cheguei à sala o Pedro perguntou de forma bastante rude: “Com estes berros, deve ser é nas nalgas, não?”. E eu: “Ai Pedro, que dureza, que malcriado”. Mas reflecti e disse: “Sim, deve ser nas nalgas, Que horror, que nojo, não há outra explicação para o que se está a passar ali. Porcalhona, uma Mãe de família!!!”

Era absolutamente inconstitucional aquela barulheira e chiar da cama, que, ironicamente, até nos remetia para o cenário inicial da miúda do exorcista, em que ela pulava da cama até ao tecto, alta gritaria e obscenidades do piorio.

Já não havia condições sociais e de entretenimento para continuar a ver a série. Fomos para a cama. Eu já estava a morrer de sono. E quando estou a morrer de sono, e quero mesmo é dormir, eu digo ao Pedro: “PELO AMOR DE DEUS, MISERICÓRDIA. PIEDADE”. E ele não me toca. Se eu disser outra coisa qualquer (dor de cabeça etc), não há apelo nem agravo, vai tudo a eito, mas um dia reparei que, se invocasse Deus ou Nossa Senhora de Fátima, ele recuava.

Bem, apesar de estar com muito sono, com tamanha algazarra eu própria não tive coragem de me negar e pedir Misericórdia. Disse foi logo: “Não comeces com grandes ideias e devaneios que eu estou muito cansada”. (Ele sabe do que estou a falar - vocês não, sorry).  Ele avançou. Eu protegi as  partes pudendas/podengas com as minhas mãozinhas, mais numa de Mãe recatada e cândida, do que um não-incentivo. É quase uma obrigação moral não me vender logo por dois tostões e basicamente era suposto ELE INSISTIR MAIS! Mas não insistiu. Disse:

Tu pareces aqueles restaurantes (???) em que nos apresentam o CARDÁPIO, com os menus do dia, mas depois já está tudo riscado, não há nada.”  Depois esganiçou a voz e imitou-me: “Ai a vizinha, que horror, pocalhona” –  para te esquivares àquilo que tu sabes”. Ri-me. “Depois  matas-me logo  a expectativa ”daquilo”(sorry  leitores, não posso escrever o que é na blogosfera). Por fim, tapas-te toda com as mãos! “

Portanto, em vez de dizeres o que não posso fazer, diz-me o que eu posso fazer .”

E ficou à espera da resposta, muito compenetrado. Eu ainda estava a pensar que ele me tinha chamado “cardápio”, e que até tinha tido bastante graça, quando ouvi a vozinha dele esperançada: “Talvez uns peitinhos de frango? Posso?”

Desatei-me a rir. Era a vizinha num berreiro e eu à gargalhada. Já não consegui fazer absolutamente nada. Ria-me sempre. Entretanto a vizinha lá se calou, e o rapaz também deixou de se ouvir.

Já eu tinha enxugado as lágrimas mas ainda estava nas minhas dissertações filosóficas acerca da comicidade da palavra “cardápio”, que simplesmente adoro, a par das palavras “pistachio”, “mochila”, “pijama” e “morcela”, quando me apercebo que o Pedro tinha adormecido. Baixei gradualmente  para o  tom mais monocórdico que consegui e assegurei-me que ele estava mesmo a dormir.

Fiquei toda contente, mas no dia seguinte tive que me fingir ofendida. “Onde já se viu, marido meu a adormecer comigo na cama??!!  Este portento de mulher??”. E agora perguntam os mais curiosos, mas assim ele não lê o blogue e apanha-te nas tretas?

Não, tenho a certeza que quando estava a adormecer pensou : “Amanhã, esta gaja vai fingir-se de ofendida, e dizer “Onde já se viu, marido meu a adormecer comigo na cama??!! Este portento de mulher?? ”

É o único problema das almas gémeas. Há muito pouco a esconder e fugir. Escapatória, no meu caso, só clamando por Misericórdia, Piedade e Clemência (uma delas basta).

Bolas. Que Homem Honrado que eu tenho em casa. Que orgulho desmedido.






domingo, outubro 02, 2016

Quinta da Regaleira. Mágica, mas não resultou comigo.

Eu e o Pedro fomos passear à Quinta da Regaleira. Aquilo não começou lá muito bem, porque apesar de eu não estar de saltos altos, mas sim com umas confortáveis sabrinas (as quais odeio, pareço uma anã com sabrinas, aliás, pareço uma anã com pré-obesidade, (sem nada contra estas senhoras, claro).

Ainda assim, mesmo de sabrinas, ao fim de 2 minutos de subida eu estava fisicamente exausta. Pior, eu já coxeava e tinha o coração a palpitar. Então depois de subir o que me pareceram ser as várias centenas degraus do Santuário de Lamego,

Chegámos a um lindo sítio, um lago esverdeado, com umas enormes pedras tipo nenúfares, que iam dar a uma misteriosa e escura gruta, que depois soube chmar-se "Gruta do Labirinto". 



Entreolhámo-nos.

Pedro: -“ EU SEI QUE VAIS CAIR DENTRO DO LAGO, ainda assim queres tentar passar”?
Susana: “ EU SEI QUE VOU CAIR.  Vale a pena tentar?” – perguntei, esperançada que ele me dissesse para darmos meia volta e irmos à nossa vida.
Pedro: “Sim, claro. Por que não desafiar a Lei das Probabilidades?

Fiquei calada. Olhámos ambos para a dezena de pessoas que saltitavam naquelas pedras. Pais com bebés a tiracolo, japoneses com material fotográfico no valor de milhar de euros, reformados gigantes da Dinamarca praticamente a andarem sobre o lago como Jesus, e TODOS chegaram ao outro lado do lago, à tal gruta, sãos e salvos. TODOS.

Pedro: “Tenho a certeza que vais dar um tralho, de qualquer forma pode sempre haver uma variável aleatória que faça com que não caias”.
Susana: “ Hum… e quão variável é essa variável e fala em português sff”.
Pedro “  Bla bla bla sigma-álgebra (?) que gera a varável. Esquece. Sabemos que vais cair, que queres que te diga mais?

Olhei para o lago. Vi uma senhora a passá-lo com um recém-nascido atado às costas.
Bolas. Eu tinha que conseguir.

Primeiro foi o Pedro, que nem uma Leonor formosa e segura que vai à fonte.

Então eu arrisquei tudo. O lago era de um verde escuro, de tão alguento e peixoso que estava. O tempo parece que parou naquele minuto. Uma espécie de Matrix na Regaleira. Deixei de ouvir barulho, apenas o bater do meu coração, que entretanto disparou e estava a mil.

E lá vou eu de sabrinas, a sentir-me um paquiderme a saltitar de nenúfar em nenúfar. E depois, CHEGUEI À OUTRA MARGEM!

Já dentro da gruta, o Pedro abraçou-me com força, em silêncio e emocionado.

Eu era uma força da natureza, contra tudo e contra todos, e jamais alguém me tiraria isso. Resolvi fotografar o lago para memória futura daquele momento. Virei à direita na gruta e CAÍ DIRECTA NA MERDA DO LAGO!!!!!


O Pedro foi lá buscar-me, eu morta de vergonha com algas que se entranharam até dentro das unhas dos pés. Japoneses a fotografarem-me. Sorri, super querida, se a foto ia parar a Tóquio, ao menos que fosse com algum ponto positivo.

E lá retomámos o caminho certo. O amor é isto. Ir com uma pessoa verde até à cintura e achar perfeitamente normal, porque não se contraria a Lei das Probabilidades.

Quando chegámos ao hotel e fui tomar banho… Intraduzível. Algas que saiam dos sítios mais recônditos do meu ser. E eu já nem tinha sabrinas, tinha era duas algas gigantes, cada uma com uma sabrina lá dentro.

E se a visita à Regaleira não foi lá muito positiva no início, dado o meu desespero face a subidas e encostas; posso dizer que até terminou bastante bem. É que foi um fartote de rir, entre nós os dois, durante horas a fio. LOVE YOU!!