domingo, agosto 21, 2016

Quem tem avós, tem tudo (e mais).

Eu tenho uma avó muito engraçada. É muito velha e vive em Queluz onde se arrasta vagarosa com uma bengala, sempre a escorregar na rua e enfiada no Amadora-Sintra com quedas aparatosas.

Quando ela vai para Ferreira do Zêzere, a sua terra, ocorre um fenómeno espantoso. Ela deixa de ser muito velha para ser apenas pouco velha.

No último fim de semana, fomos lá com ela e os meus pais para a terra. Quando olhei para trás, já o Francisco tinha apanhado a bengala a fingir-se de idoso e vejo a minha avó a correr fazenda abaixo a gritar “vou ver as minhas pêeeeeeeeeeeeeeeeras!!!”.

Quando a apanhei no regresso, tentei pará-la e devolver-lhe a bengala. Ela vinha carregada com dois baldes de fruta podre, um em cada braço (tentando convencer-me que estava deliciosa) e esquivando-se à minha placagem, largou os baldes em  andamento e desatou a correr outra vez na direcção oposta  gritando “ ó c´chópa deixa-me, que eu  vou apanhar as minhas nêeeeeeeeeeeeeesperas!!!”

Era uma imagem grotesca. A velha que antes se socorria da bengala, agora literalmente corre, com a combinação branquinha a ver-se por debaixo da bata e uns pezinhos muito lamacentos enfiados numas crocs do meu pai.

Ao fim da noite lá chegou. Censurei-a por andar até tão tarde sozinha, sem telemóvel, podia acontecer qualquer coisa…. Interrompeu-me e queixou-se:“ó c´chopa não me atentes, não tens um marido para ir ver? Francisco, queres ouvir uma cantiga que te vou ensinar?”

Estremeci. Eu já conheço as cantigas dela, o Pedro não. E ela estava em modo de “terra”.

Começou, estridente: “ERA UMA VEZ, UM GATO MALTEZ, CAGOU-TE NA CABEÇA, NÃO SOUBE O QUE FEZ!”


Não vale a pena impedi-la. Fará 10 vezes pior.

2 comentários:

Ana disse...

Ahahahahahahaha!!!

Susana disse...

É tão querida não é?