terça-feira, dezembro 29, 2015

A Guerra dos Tronos (versão humanizada)

Parece que tenho um problema, não obstante eu não ver isso como necessariamente mau.

Ao que consta, eu acho quase todas as pessoas do mundo parecidas comigo, especialmente as aparentemente menos afortunadas.

Vejo um prognata, pergunto se o queixo não é parecido.
Vejo um amblíope, pergunto se o olhar meio esgazeado não tem semelhanças.
Vejo uma rechonchuda de 215 Kgs,  pergunto se as minhas coxas são mais magras.


O Pedro lá vai respondendo, penso que na maior parte das vezes nem se dá ao trabalho de olhar.Até ontem. 

Estávamos a ver a Guerra dos Tronos. Perguntei-lhe a dada altura: “Não achas que esta pessoa dá ares de mim? Qualquer coisa na boca, ou nos dentes, não sei?..”

Pedro (Olhando para as duas babes, a rainha do cabelo prateado e a mulatinha que é a criada dela): Hein? Qual delas?

Eu: Aquele preto, o  pirata. Tem ali qualquer coisa, parece-me na boca, não sei, acho que tem um sorriso franco.

Pedro (olhando para o bisonte que é o chefe dos piratas , um costa-marfinense de 2 toneladas): Pá.. sinceramente… nem sei que te diga. Olha, sim, és.


Sorri, tranquilizada. Com este sorriso franco que me caracteriza.


A triste ideia do costume.


Este Natal tive a brava ideia de cozinhar qualquer coisa para o jantar. Naturalmente não seria nada de típico, apenas algo comestível.

Pai: Mas o quê?
Eu: Então, na Bimby, fazia um bacalhau com natas muito bom.
Pai: Mas porquê na Bimby? Não estou a ver grande vantagem…
Eu: Então, na Bimby é muito mais fácil e rápido.
Pai: Mas porquê?O que é que cozinhavas?
Eu: Então.. eu cozinhava hum… aquilo que o bacalhau com natas leva. Que é… aquilo que compõe o bacalhau com natas…(cérebro a patinar no vazio e no abstracto) - (pensa Susana, pensa, ignora os comentários sórdidos, as risadas sub-reptícias, as..)
Pedro: ahahahhahahh!!!



Conversa terminada. Já não faço nada para ninguém. 



E muitas mais.

Eu e o Pedro competimos em muitas coisas. Acho que ele nem sabe. Reformulo, eu compito sozinha com ele  em muitas coisas. Perco em quase todas, mas batalho na mesma.  

Eu: Eu quando era miúda fiquei com um rim quase defeituoso, estava muito doente.
Ele: Quando era miúdo, tive uma meningite. Fiquei em coma 13 dias.

Eu: Aqui há uns anos, lá em Ferreira do Zêzere, eu e os meus primos vimos alguma coisa muito parecida com um  Ovni.
Ele: Quando era miúdo,  tinha uma guia espiritual chamada Bárbara. Era encantadora. Já encarnou.

Eu: Ganhei um prémio no antigo canal People & Arts. Escrevi a melhor frase.
Ele: Ganhei um prémio na bomba de gasolina da Lançada. Não fiz nada, limitei-me a entrar e a ser o 1.º cliente, até tive majoretes a saltar e fogo de artifício.

 Eu: Tenho alguns pressentimentos. Na véspera do 11 de Setembro, tive um pressentimento de que algo de mau se ia passar (inventei um pouco)
Ele: Eu só soube do 11 de Setembro no dia 1 de Janeiro. Estava no Big Brother, não nos avisaram.


Desisto. Não dá.