quarta-feira, novembro 21, 2012

Eu sou assim


Dantes eu lia mundos e fundos. Comprava uma média de 4 livros por mês, relia outros 4 da minha colecção, pedia dezenas de livros emprestados e raramente os devolvia (quase ponto de honra fazê-lo, a sério). Conclusão: na altura, eventualmente por ler tanto, eu achava-me super esperta.

Depois fui viver com o Pedro, prodígio sobredotado, consagrado mundialmente. Ao início é genial namorarmos com alguém que consideramos verdadeiramente mais perspicaz e inteligente do que nós. Depois passa a ser simplesmente, e à laia de melhor adjectivo, embaraçoso. Eu sei que há que dar a volta a situação,dizer frontalmente "não percebo dois terços do que dizes, mas caramba, alguma vez viste uma mulher que se bamboleasse tão bem como eu, cinturinha de vespa e estas mamas de Samantha Fox?!"

Era o que eu deveria fazer. Mas desde que estou grávida e bamboleio-me como um alcóolatra, cintura é uma cena que não em assiste, e mamas bem...de chorar a rir,

e para melhorar o cenário deprimente, sempre que pego no nosso tablet, a porcaria do dedo indicador foge-me para o Facebook e o Fórum da Casa dos Segredos, ainda por cima fica tudo registado no ambiente de trabalho daquilo, mesmo que eu tente visitar o Expresso e sites de economia macro-económica, tenho sempre uma janela denunciadora com o título "Tatiana e Alexandra no duche" ou "Ruaaaaaaaa Petra sua Judas!!"".

Eu acho que ele já percebeu que não sou assim tão pispereta como lhe quis fazer crer ao início. Já percebeu claramente que Deus as mamas dá mas as mamas tira (ou deixa cair) e que nunca terá uma conversa decente comigo após o "Negócios da Semana" na Sic Notícias às quartas-feiras, porque eu simplesmente não entendo o que ele está a dizer.

Sobra-me o quê? Sobra a minha incrível capacidade de o fazer rir quando tento dar uma cambalhota no sofá, com direito a bracinhos no ar e tudo (acho que é a "chamada")  e digo-vos aqui hoje e em exclusivo, esse momento é  único na vida de alguém. Aliás, era, porque agora nem os bracinhos no ar consigo pôr, quanto mais lançar-me numa cambalhota, só se fosse para me matar.

Ah, e sobra-me este blogue. Obrigada a todos, hoje estou bem disposta (a Ana Zarolha ficou nomeada, ruaaaaaaa no domigo!!!!)

quarta-feira, novembro 14, 2012

Tenho as mamas gigantes.

Disse algures que não ia tornar este salsicha num baby blog. Não vou. Mas Deus é minha testemunha que isso me custa horrores. E porque uma grávida não se pode enervar, é melhor contar umas coisinhas  desta minha jornada:

1.º -Lembram-se da srª taróloga me ter dito que eu estava grávida e que ia ter um menino? Pois no dia dos meus anos (2 meses depois), a confirmação que um Francisco Pila Linda vem a caminho.
 A obstreta quis fazer um grande suspense e disse que ainda era cedo para confirmar o sexo mas que, se tivesse que arriscar seria .. e eu interropendo-a "sim, eu sei, é um menino, a taróloga já me disse isso em Junho". Lançou-me um olhar intranquilo e continou a sua eco.

2.º - O Francisco ao que consta tem 25 semanas mas ossos robustos de 29 :
 "vai ser um bebé muito alto!" - exclamou a médica.
"O quê?" perguntei
"Então, claro, vocês também são alt..." e de repente sinto a médica a baixar os olhos para os nossos 1.59 e 1.70 respectivamente e a calar-se com a sua vozinha em fade out

3.º - Engordei 10 kgs. O Francisco tem 1 kg.
Todos os dias rezo a Deus para ter uma placenta gigante de 9, enquanto como um pacote de Lays
feitas em forno de lenha e rissóis de camarão.

 4.º - Sabem como os bebés são feitos? Sabem que fazer isso depois de ter uma criança no ventre me parece um absoluto sacrilégio?! Sei que sou a única, pois das 10 amigas minhas que estão grávidas ao mesmo tempo que eu, todas elas violam os maridos dia sim dia não.  Que mães pecaminosas que não respeitam a  tranquilidade amniótica dos seus rebentos!!

5.º - Sabem o segredo do Cláudio da Secret Story 3 que é "Sobrevivi a um terramoto", referindo-se ao tremor de terra em Itália em Maio? Pois eu também estive em Itália e não só sobrevivi ao terramoto como ainda me deu para andar às cambalhotas num sofá-cama na sala e fazer um grande filho.Que mariquinhas bissexual!


Termino dizendo que desde miúda que adorava ouvir as anedotas do meu Tio Xico, algumas delas sobre hemorróidas. Não vos consigo transmitir exactamente o efeito que as palavras "hemorróidas" e "gravidez" produzem no meu ser. E se vos confidenciar que pesquisei estas 2 palavras no google e tive a infeliz ideia de carregar em "imagens", logo se abrindo diante de mim lindas fotografias.. enfim,

 não foi inteligente da minha parte. Nada mesmo. Mas desde que eu e a minha prima Elsa (eu com 22, ela com 18) tentámos fazer puré de batata no passevite com batatas cruas, a nossa família já não faz grande fé no nosso discernimento.

segunda-feira, agosto 20, 2012

VI(m) D(o)ENTE

Se acham que o facto da Salsicha estar grávida é curioso, esperem até saber como é que me foi dito.

Naquele dia, eu e a Tininha não queríamos trabalhar, enfim, o costume.  Tínhamos coisas para fazer, presos para visitar, despachos para cumprir, mas estava muito calor e apetecia-nos era gastar dinheiro, pelo que decidimos ir finalmente à Taróloga de Benfica, profissional de estimação lá do mulherio do escritório.

Nunca lá tínhamos ido, mas desde que ela previra, com 6 meses de antecedência, coisas medonhas que estou absolutamente proibida de aqui reproduzir, eu e Tininha nem pensámos duas vezes. 

Primeiro foi a Tininha. Depois de a senhora acertar com precisão cirúrgica na confusão épica que é a sua vida amorosa, questões de saúde e de trabalho que mais uma vez estou vedada de contar, ficámos as duas com muito respeitinho. A seguir fui eu.

Nem tive tempo para aquecer a cadeira. Ainda nem tinha puxado a saia para a frente quando ela sentenciou logo:

 - " Vai ter um bebé "; " e é se já não está grávida"; "hum..deixe cá ver, sim, já está grávida".

Fiquei parada, com as mãos no forro, língua semi-dependurada e ar de estúpida. A Tininha gritou.

"Vai ser um menino" - acrescentou a senhora, na que se revelou ser ba consulta de Tarot mais rápida de todos os tempos (e ainda assim relação qualidade/preço/emoção francamente bestial)

A pantomineira da Tininha voltou a gritar. Eu continuei com a boca aberta e uma vontade incrível de vomitar. Por falar nisso, vomitar é agora o meu segundo nome (yeahhh deixei de ser Susana Sofia)

PS - A Tininha ainda não recuperou do susto. 

PS2 - (Acrescentado às 20h51): Ó MEU DEUS ISTO VAI SER UM BABY BLOG!!!

quinta-feira, agosto 16, 2012

Salsicha Grávida: Salsichinha a caminho

E o inevitável aconteceu, engravidei e em Fevereiro nasce-me uma criança.

E não, eu não faço o amor  (eu sou uma menina, dou-me ao respeito), a realidade é que numa noite de terramoto escala 6.1 de Richter em Maio, o sofá cama onde eu dormitava juntamente com o Pedro em Itália, sacudiu-se de tal maneira que acabei virada de pernas para o ar, estremunhada e de esperanças.

Perguntam-me qual foi a reacção do Pedro quando eu lhe disse. Não sei, não vi.  Estávamos num parque de estacionamento do nosso centro de saúde, eu atirei-lhe com o teste positivo para cima do colo tipo granada-caseira e gritei "VAIS SER PAI" e fugi espavorida pelo parque fora, a dar aos braços envergonhada pelas minhas próprias palavras.

Por mero caso, uma hora antes, eu e o Pedro fomos ao nosso médico de família. Fui  à consulta em último, e aproveitei para dizer ao sr. doutor que estava grávida mas que o Pedro ainda não sabia.

Médico  (de semblante preocupado) : "Mas...a Susana sabe...tem consciência de que o Pedro vai para a Guiné??"

Silêncio.

Susana   (titubeando)  : " Mas...mas... ele volta?"

Médico  (em declarado pânico) : "Eu acho... quer dizer, não sei, bem.. eu acho que sim!!"

Mistério desvendado: parece que o Pedro pediu na consulta as vacinas correspondentes para ir à Guiné-Equatorial, país ao qual eventualmente irá, mas em trabalho e durante apenas 2 semanas.  Médico abelhudo e Susana grávida e parva de todo a perguntar se o pai da criança volta...

Ainda,

Susana (ainda a suar) : "Dr, eu tenho medo... AINDA SOU MUITO NOVA PARA SER MÃE...!!!"

Médico (procurando qualquer coisa na minha ficha clínica): "Mas afinal.., espere..., então mas afinal quantos anos a Susana tem?"

Susana (em voz sumida) : "Quase 32..."

Médico: (sem paciência): "Pois é, uma verdadeira  Mãe Adolescente.".


É assim que me sinto.
Será que esta criança vai ler o meu blogue? Meu Deus, tanta asneira, tanta idiotice junta, que credibilidade a minha enquanto Mãe...Quão difícil será rectificar este blogue desde Julho de 2005?




domingo, junho 17, 2012

A Minha Traveca

Infelizmente nem todos percebem o tipo de humor (palerma ou não) que se faz aqui. Sei que andam por aí umas almas que acham que não gosto de homossexuais e que gozo com transexuais.
Não é verdade. As histórias que aqui conto acontecem precisamente porque me DOU COM ELES e faço questão de estar presente na vida de quem gosto. Eu trato os transexuais com quem me dou por TRAVECAS, o meu namorado por Suga Pilas e os gays amigos por Abafadores de Palhinhas porque os tenho no coração. Os preconceitos são das pessoas que se levam tão a sério e, Meu Deus, como eu tenho medo dessa gente que se tem em tão grande conta. MANQUEM-SE.


Fui beber um cafezinho com a minha Traveca Preferida -  (um dentinho só, dois metros, um toutiço, lembram-se?..uma espécie de Luisão ainda sem cirurgia de redesignação sexual), que entretanto já saiu da prisão e infelizmente recaiu no vício,

Cafezinho esse que culminou numa ida às compras no Pingo Doce que me deixou quase a zeros porque eu não sei dizer não a uma pessoa que sei que não come (aliás, por acaso até consegui verbalizar um rotundo NÃO, quando por entre pacotes de leite e cereais de chocolate, aquela aproveitadora me pediu um aparelho de TDT e ainda uma base da Maybelline de 18 euros para esconder aquela barba!).

Enfim, conversa puxa conversa - adianto-vos já que, à parte de ela não se mancar que é uma traveca muito feia, é no entanto, uma mulher muito, mas muito inteligente (O problema dela é mesmo a droga, e para a ter faz de tudo. De tudo mesmo, mas isso ficará para outro post).

No meio desse café, ela conta-me como foi presa pela 1ª vez. E eu fiquei chocada quando ela me fala em Roubo. Não era suposto a minha amiga Roubar mas sim Furtar, ou seja, sem violência. Contou-me ela e JURO, MAS JURO MESMO, TUDO VERDADE!:

Trav - " A Susana, sabe como é, quando ficamos com um cliente fixo que gosta de nós é como se saísse a lotaria né? Então eu comecei a ir com um senhor todo fino que até tinha um cargo importante, que andava numa cadeira de rodas, e e eu até pensava que era paraplégico mas depois  logo na 2ª noite fomos para o motel, eu fui à casa de banho e deixei-o na cadeira de rodas, pensando que ele ia balançar as pernas e ficar deitado e quietinho em cima da cama


Susana, qual não é o meu susto quando regressei  e ele ESTAVA DE PÉ, com o tronco peludo e 2 cotos a esbracejar!  ai amor, que grande susto que eu apanhei que até me ia dando um ataque!

Bem, quer dizer, o senhor lá tinha umas pernas de plástico, ao princípio deu-me um nojo mas passado uns tempos habituei-me e até nem desgostava dele, a verdade é que era um homem muito amável que se preocupava comigo. (eu ainda estava a limpar as lágrimas dos gestos que ela fez para demonstrar os cotos a barbatear)

O pior é que eu já dava na branca, e precisava mesmo de dinheiro, na altura tinha um namorado que me começou a dar ideias, para eu assaltar a casa do velho, e eu sempre a dizer que não, porque ele até pagava bem, e não valia a pena arranjar confusão, até que um dia ele me convenceu.
Bem, E o que eu fiz deu-me 5 anos de cana.


Choca-me... - disse eu

Uma das noites, ele levou-me para casa dele, estávamos na cama, na brincadeira, então ganhei coragem, amarrei-o à cama, e roubei-lhe tudo o que tinha. Ficou ainda lá umas horas atado.


Que horror! coitado do velho! - gritei


Bem, amarrá-lo à cama, bem, isso também não é assim tão grave! Ele gritava muito, mas eu sempre a pensar no dinheiro, na altura eram seis mil contos, eu estava pensar ir para a Suíça...,  O pior foi que ... (e escondeu a cara por entre os guardanapos que tinha no soutien  a fazer de mamas) o pior foi que eu deixei-o amarrado e ainda por cima... ROUBEI-LHE AS PERNAS E ESCONDI-AS!


MEU DEUS! - lancei horrorizada


Pois... quer dizer, com a confusão, eu queria esconder-lhe as perninhas para ele depois não fugir, mas  até acabei por levar uma comigo, depois ele lá se libertou dos atacadores, arrastou-se para o telefone e chamou a Judiciária.


  Fui apanhada no Conde Redondo. Nunca imaginei que ele tivesse coragem de fazer queixa, foi uma vergonha para ele! E na Boa-Hora, enfim, levei com os 5 anos por roubo". - concluiu ela, com o ar mais natural deste mundo (enfim, o mais natural que lhe é possível, se nos abstrairmos da imagem de um Luisão com um top de licra e micro-saia a roçar-lhe as bordas do rabo)


5 (cinco) anos de prisão. Para ela foi duro, para o senhor foi um escândalo, para mim deu-me uma história que eu nunca hei-de esquecer. O raio da traveca é tão esperta, só é pena é que com a droga lhe dê para o mal...

E TDT.. sinceramente, que mulher tão abusada!!!

sexta-feira, abril 20, 2012

Adoro-vos brazucas, não levem a mal.

O Pedro foi ao Brasil em trabalho.

O Pedro é lindo, inteligente, é a coisa mais sexy deste mundo, absolutamente adorável.

As brasileiras são sabidas.

Mandei-lhe e-mail: "Cuidado com as Jucineides nas praias de Fortaleza que ao que consta engravidam só de te cheirarem as cuecas".

Recebi a resposta: "Pormenor encantador do Ceará é a beleza exótica das pessoas. Elas e eles. Nunca vi um rácio tão desfavorável para uma população. Na certa, 99 em cada 100 pessoas têm semelhanças com os seus ascendentes, nomeadamente com os seus avós após falecerem."

(Teve ainda o cuidado de me dizer que "Aqui no centro fica a praia do Futuro, onde o célebre grupo de trolhas ficou do lado errado da parede de cimento. É medonho. Areia e água imundas.")

Falei com um cliente meu, preso, e que é de Fortaleza ( e para lá vai ser recambiado muito em breve). Perguntei-lhe acerca da beleza das meninas.

Derivaldo Afrânio (ansioso por falar, sou a única visita dele)- "Xiii... Beleza? As mulheres do sul sim... Mas as do Ceará?!Dotôra, se eu vou num calçadão, ou na fila de um banco, qualquer lugar...nossa o que não falta é MULHER FEIA!!!"

"E a dotôra é linda..." - acrescentou maroto, imbuído do espírito confiante de quem dá uma boa notícia a alguém e espera retribuição.

"Sim, eu sei" - respondi secamente, desviando o olhar da sua cara horripilenda de antílopes das estepes.




sábado, março 31, 2012

Ele já mudou de PIN

A semana passada estava com uma pessoa cujo nome não irei revelar mas que chamarei de "José".

Fomos almoçar a um restaurantezinho muito simpático, mas incrivelmente pequeno, com as mesas todas atravancadas umas em cima das outras.

Após uma lauta refeição, tivemos que pagar. Bem, ele teve, já que ma ofereceu. Como eu era a pessoa que estava mais próxima do balcão, levei o cartão de multibanco dele, decorei o código, e passando por cima de cabeças e mesas lá cheguei ao senhor da caixa.

Óbvio que no decorrer daqueles 10 segundos que mediaram a saída da minha cadeira até à chegada ao balcão, esqueci-me do código.

Não muito subtilmente, até porque o restaurante estava cheio, todos conversavam e havia o burburinho típico da hora das refeições arrisquei:

- Olha, como é que é .. aquilo?

"José" - "Susaninha, "ODISSEIA NO ESPAÇO"

Eu - "HEIN?"

"José" (num tom de voz mais elevado) - "ODISSEIA NO ESPAÇO!"

Eu (enfastiada) - "Opá, eu quero é saber "aquilo"!"

"José" (berrando lá do fundo da sala) - "ODISSEIA NO ESPAÇO!!!KUBRICK!!"

Desconhecido danado que aguardava lugar de pé à porta da entrada - "MINHA SENHORA: DOIS ZERO ZERO UM!"

Silêncio desconfortável na sala.

Vêem-me as lágrimas aos olhos e marco o PIN.

Saímos os dois o mais sorrateiramente possível (o que não foi fácil dado que o meu amigo sofre de olho preguiçoso, vulgo não vê a ponta de um corno, e quase todos os presentes no restaurante o tiveram que ajudar a agarrar na bengala e sair atrás de mim).

Mais uma vez silêncio, até ele se desatar a rir.

Abomino Cult Movies.




domingo, março 25, 2012

Vida Boa






Para provar que invento muito, mas não minto.




1 - A gata psicótica com compulsão sexual que se alambuza na urina das crianças n.º 1 e 2;


2 - A criança n.º 1 que faz chichi e não puxa o autoclismo e tem um fetiche por caudas;


3 - A criança n.º 2 sem dentes que grita "Anger" dos Downset (HOSTILITY TOWARDS THE OPPOSITION!!!!!!) aos meus ouvidos em TODAS as viagens de carro.




Aliás, escrevo neste momento no blogue para fugir ao barulho de Faith No More. Algo me diz que vou recomeçar os posts semanais de fones nos ouvidos e lágrimas nos olhos.

domingo, março 18, 2012

Nem sei que título pôr

Há coisa de ano e meio que sou oficialmente e, preparem-se, "madrasta"(Chocante, eu sei). As crianças, de 6 e 7 anos ( espertos que nem ratos, que choramingam para o pai lhes atar as sapatilhas mas entram no carro e cantam Alice in Chains em berros demoníacos) enfim, estes dois loiros de olhos verdes/azuis têm efectivamente duas características engraçadas.


A 1ª é que os adoráveis querubins jogam "Gears of War III" (nível hard) aniquilando monstros humanóides com lança-chamas e com moto-serras, utilizando comandos com controladores duplo-analógicos, salvando a Humanidade



A 2ª é que quando dá a Rosa Fogo na SIC o mundo inteiro pára.



Apesar de cá em casa as novelas não constarem das nossas opções televisivas, certo é que os miúdos seguem-nas com sofreguidão e fazem questão de reproduzir fielmente as cenas de amor (especialmente os da Alma Gémea, taradice pegada), dizendo com sotaque brasileiro "me dá um beijo amor", "isso é sexo forçado!", "vamos fazer sexo" e "quero fazer sexo Ivan", enquanto de olhos fechados e bocas abertas e línguas de fora, acariciam as próprias costas com os bracitos cruzados, vivenciando intensamente o momento.



Nós estamos acostumados ( efectivamente ainda só não me habituei ao facto de antes de irem tomar banho fazerem sempre questão de me mostrarem o rabo ficando com os tomatitos dependurados); mas claramente que o resto do mundo não.



Ontem fomos jantar fora com os tios dos miúdos, irmão do Pedro e respectiva mulher, senhora de grande sensibilidade. No final da refeição o mais velho pediu um Calipo. Foi o fim do mundo em cuecas.



Cenário: miúdo de 7 anos com as duas mãos a agarrarem carinhosamente o Calipo, com a língua a rodopiar e os cílios a piscar , ar lânguido e um " VAMOS FAZER SEXO AMOR!"perfeitamente audível no parque de estacionamento. Semblante pálido da tia e olhares incrédulos dos casais presentes.



Lá explicámos o mais rápido possível que para estas amorosas crianças, fazer sexo são beijos na boca, beijos estes que suscitam as curiosidades normais nestas idades (eu acho que não era assim, mas também só dava o Sassaricando e Sassá Mutema)apesar da tia, lívida, continuar com a mão no peito, ainda assombrada pelo fellatio homossexual que afinal só acorreu na cabeça dos adultos.



Pessoalmente, achei extremamente divertido. Vou tentar fazê-los comer em frente aos bisavós.

domingo, março 04, 2012

O teste.

Depois do último post que foi um hit e atingiu 506 comentários, sendo quinhentos e um a dizerem "amo-te", ou ainda na variante "amo-te meu amor" (desse egrégio leitor que se chama Anónimo), voltei.

O Pedro ofereceu-me há uns tempos uma gatinha persa de 4 meses. Eu sorri, contente, embora soubesse que isto seria uma avaliação informativa para aferir as minhas competências maternais (vulgo não deixar morrer o animal). Não obstante saber que as mesmas são praticamente nulas não me preocupei demasiado, afinal alimentar o animal e manter a caixa limpa de cocós parecia-me algo relativamente simples.

Não é :(

Comprei orgulhosa um saco de friskies para gatos, coisa fina de 4 euros. Ora no dia seguinte tinha a casa pejada de fezes diarreicas nos sítios mais incríveis que se possam imaginar. Erro n.º 1: Friskies sim. Gatos não. Gatinhos.

Depois de saudades loucas da minha Yupi (não morreu, está em Belas), afeiçoei-me a este bicho (Nina) exigindo-lhe beijos e obrigando-a a recebê-los, uns atrás dos outros, com os seus bigodes húmidos. Húmidos? Sim, depois de tantas trocas de manifestação de amor humano/gatídeo, apanhei-a DENTRO da sanita (atenção, não é a beber da sanita, é dentro dela mesmo) a deleitar-se muma absoluta luxúria com o chichi dos miúdos (descobri tardiamente que as crianças não puxam o autoclismo quando fazem chichi, apenas o n.º 2. Weird..) Erro n.º 2: Beijos sim. Na boca não.

A coisa até nem estava a correr mal, aparte do cocó desenfreado e dos bigodes de urina.

O pior foi quando um dia estava na sala a ver o America Next Top Model e oiço miar mesmo ao meu lado. Um miar esquisito, muiiiito esquisito. Olhei na direcção do gemido e à minha frente, a menos de um palmo desenrolou-se um verdadeiro filme de terror.

Uma gata.
Um cio.
Uma vagina escancarada de cor vermelha a verter secreções acastanhadas e um períneo brilhante e dengoso a 2 cm do meu nariz.

Não aguentei a pressão. Foi uma mistura de miúdo do Sozinho em Casa a pôr after sahave com Tom Sawyer a fugir rio abaixo... só sei que gritei e atravessei num tiro o corredor a tremer.

Curiosamente, o Pedro percebe bué de genitália feminina dos gato e lidou bem com o facto da nossa gatinha de 6 meses já ser afinal uma porca do hi5 de enorme receptividade sexual.

Não sei se passei no teste da competência parental ou não, mas que sofro tal como uma mãe que vê a sua filha (que ainda ontem brincava com O Meu Pequeno Pónei) a exibir dengosamente, de rabo alçado, uma vulva inchada e purpúrica... isso sofro.

Não sou de intrigas, mas ia jurar que a Yupi já nasceu velha e menopáusica. Pela minha saúde (refluxo urinário grau IV, desvio do septo nasal grotescos), nunca vi nem um dozeavo do que se passou naquele dia, naquele sofá. Moral da história: Adoro bebés. Pequeninos.