quarta-feira, outubro 27, 2010

O caranguejo toxicodependente que lia clássicos franceses

Eu sei que era suposto falar da Madeira, parte II, mas voos mais nobres se levantam:

Eu e J, em julgamento de um recluso preso por nem sei quantas toneladas de crimes, e a responder, invariavelmente, por mais uns quantos. Na realidade, já iamos a rir no corredor antevendo os bons momentos que irira constituir aquela audiência de julgamento - (muito compungidos, no entanto, dada a dignidade da profissão e do cidadão se condói com a realidade do mundo do crime ).

E por que riamos nós? É que este senhor é, provavelmente taco a taco com a traveca, o cliente mais interessante e curioso que eu tenho. Vejamos: - toxicodependente há 25 anos, portador da doença bipolar, anarquista, ferrador de cavalos nos tempos livres, surdo de um ouvido mas técnico de som, cego de um olho mas tatuador profissional,fala 5 línguas, filho de um ex-embaixador, lê Émile Zola - "mas tenho uma preferência pelos escritores bizantinos" (medo!!), enfim, este julgamento por furtos simples prometia.

Pérolas avulsas:

(Explicando que tinha sido detido por populares furibundos à porta de um Pingo Doce)" Meretíssima, eu juro, eles atiraram-se a mim e eram à vontade mais de 15! Caí ao chão, placaram-me e eu fiquei para ali...olhe, eu fiquei para ali que nem um.. olhe, que nem um caranguejo de pinças para o ar! (contenho o riso visualizando a cena e nem posso olhar para o J);

"Meretíssima, palavra de honra, quando ouvi o carro da polícia... Meretíssima... eu juro por tudo quanto é sagrado, nunca em toda a minha vida me senti tão aliviado!" (Mais uma vez nem posso olhar para o J, e felizmente ele não me vê. Só o oiço num riso fininho tentando não se engasgar).

E para terminar (questionado acerca do seu arrependimento ): "Se estou arrependido?! Meretíssima, estou preso há já 1 ano e o que eu queria mesmo era, com o devido respeito e perdoe-me a expressão, era mas é fazer uma data de bebés com a minha mulher... Eu sei lá..., sei lá, uns 20 ou 30! "

Su e J deslizam cadeira abaixo a rir que nens uns perdidos, perante a simbólica mas pungente expressão "fazer uma data de bebés", já nem querendo saber com quem e muito menos a quantidade exacta!! Bem, bebés bebés, só se for com as pacientes do hospital psiquiátrico. Conseguimos o internamento em vez de pena de prisão. Duo Broa de Mel no seu melhor.

terça-feira, outubro 19, 2010

A Madeira, a UNESCO, e os Parvos Parte I

O meu sonho de criança foi desde sempre ir à Madeira. Nomeadamente visitar o Curral das Freiras e floresta Laurissilva, grande e glorioso património da Humanidade (bem, criança talvez não, apontemos talvez para os 26/27 . 28 no máximo. tenho 30. buáá).

Bem, este Verão fui então com uns amigos para o Funchal durante uma semana. Depois de ultrapassada a eterna questão de sempre - descolagem e aterragem em absoluto estado de pânico, aos murros e convulsões contra os assentos do avião e companheiros de viagem (sim, aviãofóbica, e então?);

fiz a voltinha recomendada: comi bolo do caco, vomitei-me nos teleféricos, bebi poncha e brisas até não apertar o cinto, abarrotei-me de bolos de mel, fiz amizade com baratas voadoras absolutamente gigantescas, beijei de língua todas as bandeirolas, cartazes, porta-chaves e t-shirts com o corpo do Cristiano (enfim, o normal) e passei,

juntamente com o ignorante do Nelson, a chamada grande, grande vergonha social:

Susana e Nelson, felicíssimos em terras de Bartolomeu Perestrelo e entretidos no comércio de rua: Muito bom dia, se faz favor, quanto custa este Caralhete ?

Vendedor de meia-idade (ligeiramente intrigado): Nâm pêrcebéi, éste quéé?

Nelson - em alto e bom som, para o senhor perceber o seu sotaque continental, referindo-se ao instrumento musical dos bonequinhos de pau adornados com trajes da região:

(Susana ficou desta vez calada, antevendo possível engano)

- Muito bom dia, se faz favor, quanto custa este C-A-R-A-L-H-E-T-E? - soletrou ele, enquanto apontava de dedo em riste e sorriso franco e aberto para os ditos bonequinhos.

Vendedor (revoltado até às entranhas): QUÉE??!!!! ÊSTE É ÂM BRÂMQUEINHE!!(Brinquinho) ÃM BRAMQUEINHE!! - SEI DAQUEI MÁLCRIADE! !! uivou ele, enquanto nos tentava acertar (maldosamente, mesmo!) com um Brinquinho, que de brinquinho não tinha nada, mais parecia um gigantesco mastro vertical com uma colónia de duendes a acasalar.

Enfim, quero crer que um amigo mais humorizado do Nelson o tenha enganado e, ele, inadvertidamente, nos tenha enganado a nós. Só sei que mal tivemos tempo de fugir colina abaixo (ultrapassando os carrinhos de cestos que, pelos vistos, atingem a alucinante velocidade de 0.02 km/hora).

Bonito, logo no 1.º dia na cidade do Funchal e já estávamos marcados por um comerciante andropáusico com objectos fálicos perfurantes na mão e uma vontade doida de nos sovar.

A viagem ao arquipélago prometia. ..E prometeu, conforme desfecho idiótico que seguirá oportunamente em brevíssimo post II (juro).

P-S- Um grande beijo para as senhoras da Biblioteca da UAL que parece que me lêem. Mistérios insondáveis, não os questiono.