domingo, setembro 12, 2010

30 anos e 20 dias

Como escrevinhei para aqui algures, depois de vir de férias escreveria com a regularidade desejada, quer por vocês, pacientes leitores, quer por mim própria, que criei o Salsicha com tanto amor e carinho num dia de estágio completamente desesperante, no ano de 2005.

5 anos depois, reflicto (respiro fundo, fecho os olhos suavemente, abro-os novamente, a realidade é crua e una): MEU DEUS DO CÉU, EU JÁ TENHO 30 ANOS!!!! COMO É POSSÍVEL SEMELHANTE DIABOLIZAÇÃO DA MINHA PESSOA??!! 30 ANOS!!

Lembro-me como se fosse ontem de estar em em Armação de Pêra, em pleno Agosto, a festejar os meus 10 anos orgulhosa que nem um pavão macho, e olhar compadecidamente para a minha mãe que, exactamente uma semana depois, perfez os 30. "30 anos" - pensei eu: "Coitadinha, qualquer dia bate as botas".

E agora, chegou a minha vez.

O que dantes era para mim a antecâmara da sepultura, é hoje em dia a minha idade biológica. O que verdadeiramente me vale, é que sei exactamente quem sou por dentro. Continuo a ser a mesma miúda ruim, amoral , burra e trafulha de sempre.

Noutro dia dei por mim a dizer a alguém: "quando for grande, vendo o Citroen e compro um Nissan Qashqai". A pessoa silenciou-se, confusa. Eu própria enrubesci.

Isto tudo para me desculpar por não ter escrito atempadamente. É que tive mesmo um momento de reflexão que, felizmente, passou relativamente rápido (essas coisas da introspecção reservam-me a minha futura adultez. Que há-de vir...mas não para já).

Até lá, viva a criancice, a falta de autonomia e espírito crítico. Viva o Salsicha, que iniciei com 25 anos e permanece igual aos 30, exactamente com o mesmo registo diabólico de pós-adolescente!

Teoricamente, sou adulta. Na prática, estou no limbo dos infantes. Ninguém tem 30 anos...