sexta-feira, outubro 16, 2009

Final Feliz

História, para variar, de clientes (definitivamente nao tenho muitos amigos). Um ciganito quase anão de 16 anos foi preso na noite anterior. A família queria uma advogada, eu queria um dinheirinho. Interesses conciliados, lá vou eu para as fachadas envidraçadas do novo campus da justiça.

O Quim Zé explica-me sucintamente que roubou uns telemóveis a uns rapazes e deu-lhes umas chapadas, mas parece-me verdadeiramente arrependido e chora como um bebé. Os telemóveis foram recuperados e os ofendidos fugiram a sete pés e nem quiseram ser ouvidos. Enfim, tudo corria lindamente e perspectivava-se um lindo serão a contar notas de € 50.

No corredor do piso, acenei sorridente ao acampamento cigano que entretanto se tinha formado lá fora e que me observava atentamente através das paredes vidradas.

Começa o interrogatório, parece-me que o juiz se compadece deste ciganito de boné sujo, adivinha-lhe uma vida de miséria... Sem mãe, criado pelo pai e irmãs, vende calças e pijamas na Serra da Luz. Surpreendentemente, estudou até ao 7.º ano e, pasme-se! o ciganito-criança até se encontra inscrito num Centro de Emprego!

- Isso é muito positivo, para um jovem da sua idade que já não deseja prosseguir os estudos- enaltece o juiz (eu sorrio, embevecida)
- Então e nunca foi chamado? - pergunta-lhe
- Eu? Já, mas eu não fui! (o meu sorriso esmorece)
- Não foi porquê?
- Era uma cena..tipo idosos - explica-se - não sei dizer, tipo idosos. (o meu sorriso desaparece)
- Mas não foi?
- EU??!! - indigna-se o ciganito - LAVAR O CU AOS VELHOS ?! ! É que já lá estou!

Prisão preventiva. CREIO em um só Deus,Pai Todo-Poderoso, Criador do Céu e da terra, de todas as coisas... Consegui fugir pela garagem.

Não há um único delinquente, independentemente da etnia, que jogue com o baralho todo neste país.