sexta-feira, julho 18, 2008

Idiota-Mor

Sábado à noite, festa de aniversário de um amigo que comemorava a entrada nos 30 (medo).

Depois do jantar, malta sentada no chão à volta do perímetro da sala pronta para alinhar num jogo chamado "como é o teu?". Basicamente, uma pessoa sai fora da sala enquanto as outras esolhem uma parte do corpo para descrever. Quando essa pessoa regressa, tem que questionar os presentes a fim de descobrir que parte anatómica foi afinal escolhida.

Sai o Renato. Após saturada discussão, escolhemos o "céu da boca". Ele regressa à sala e começa a perguntar, um a um "como é o teu"?

Ouvem-se variadas e maliciosas respostas: é húmido, vermelho, escorregadio, sedoso, faz sons, molhado, entre outros adjectivos.

Chega à minha vez e eu, a transbordar de amor digo: "o meu...deseja-te" e semi-cerrei os olhos, imaginando os longos beijos que já trocámos, aquele palato maravilhoso que tão deliciosamente acolhe o meu!

Então ele fica meio parado, com um ar distante, provavelmente ponderando as respostas já dadas, e arrisca:

"o ânus?"

Toda a sala explodiu em gargalhada. "O ÂNUS??"-gritei eu, apanhada completamente desprevenida com os olhos sanguinários trucidando-o de alto a baixo.

Chamei-lhe todos os nomes possíveis, enquanto ele tentava desesperadamente explicar-se, dizendo que estava distraído a pensar nos outros comentários e tinha acabado por nem ouvir a minha resposta.

Balanço da noite:

- Susana, morta de vergonha e note-se, sem qualquer proveito;
- Renato, o acidental herói sodomizador.

Só lhe voltei a dirigir palavra anteontem porque afinal, vamos hoje de FÉRIAS! Mesmo assim ele que venha aninhar-se para os meus lados que eu logo lhe dou a distracção...

saudações vereneantes para todos.

sexta-feira, julho 11, 2008

álvaro de campos

Ia eu a descer o Chiado esta semana, quando vejo um grupinho do que me pareceu serem à distância 3 amigos amish. Vestiam paletó preto, com um chapéu de cartola também preto, e apoiavam-se numa bengala, mas como estavam de costas não consegui visualizá-los melhor.

Pouco curiosa como sou, cheguei-me o mais possível junto a eles, quando, de repente um se virou e chocou de lado contra mim. Surpreendida, verifico que afinal não eram 3 amish nem nada que se assemelhasse, mas sim 3 Fernandos Pessoa de bigodes e tudo!

Acontece que aquele que chocou contra mim ficou a fitar-me sem desviar os olhos e eu, nervosa, temendo estar na presença de 3 tresloucados fugidos do Júlio, continuei a descer a Rua Nova do Almada como se nada fosse ( poetas mortos em triplicado? todos os dias).

Para minha imensa vergonha, vira-se o 1.º Fernando Pessoa e berra aos meus ouvidos: "Ó MINHA DOCE OFÉLIA!". E os outros todos seguem-se-lhe também a berrar e declamam estrofes inteiras. Obviamente que eu não fiquei para as ouvir, já que fugi chiado abaixo à velocidade estonteante a que as minhas socas mo permitiam.

Para meu infortúnio e grande gáudio dos turistas, aqueles 3 doidos desceram a rua atrás de mim sempre a declamar em grande estardalhaço até que eu, num golpe de génio, me escondo na Caixa Geral de Depósitos e eles continuam em direcção ao Terreiro do Paço.

Devia estar profundamente branca, porque o segurança do banco chega-se ao pé de mim a rir-se e diz" a semana passada eram o Gil Vicente! Isto são iniciativas malucas da Câmara".

No meio do azar ainda tive sorte. Gil Vicente? 3 homens de collants e calções de balão atrás a perseguirem-me enquanto declamavam "o monólogo do vaqueiro" ia ser demais para o meu pobre coração.

E no fim, fica a dúvida, seria o próprio ou heterónimo?

segunda-feira, julho 07, 2008

Ser criança é...

No fim de semana passado, a nossa associação dos miúdos participou numa corrida de carrinhos de rolamentos. O nosso carro era um portento, consistente numa tábua de um roupeiro, com duas cordas a fazer de volante e um pau colado a uma roda de borracha a servir de travão (- somos assim, sempre preocupados com os mínimos pormenores).

A corrida foi numa rua íngreme aqui da terra, cortada ao trânsito e repleta de pessoas e fardos de palha nas valetas. E eis que ela se inicia.O nosso carrinho foi logo o primeiro. Começou muito bem, com uma saída numa bisga incalculável.

O nosso condutor era um dos miúdos, um pré-adolescente de 11 anos - que tinha ameçado de morte todos os colegas da associação caso não fosse ele a conduzir a viatura - que sorria vitorioso enquanto a sua carapinha esvoaçava por fora do capacete.

Desolador foi depois, quando a meio da rua o carro perde a força e fica por ali a marinar ao pé de uns caixote do lixo.

As pessoas que antes aplaudiam, riam-se agora de dedo em riste. A criança, envergonhada, choramingava agarrado ao pau do travão, tentando pateticamente balancear de novo o carrinho com os seus ténis mais que rotos.

Entretanto os outros miúdos do grupo, com o instinto vingativo ao rubro resolvem aplicar-lhe um vigoroso pontapé nas costas e a criança, morta de susto com as mãozitas a raspar no asfalto lança-se novamente na corrida e acaba por terminá-la em tempo recorde.

Ficámos em último lugar, desclassificados por batotice.O cenário? Enternecedor, com o condutor choroso a soprar nas mãos esfoladas e os outros miúdos todos a cuspir asneiras em crioulo.

é que é mesmo isto, afinal, a beleza de ser criança...
Saudades, muitas.