terça-feira, julho 31, 2007

Já agora

quem é que teve a pouca urbanidade de apagar os meus últimos 5 ou 6 posts?

X ou Y eis a questão

Um destes dias precisei desesperadamente de um favor. Depois de pedir a todos os meus amigos de infância, de liceu, da rua e da catequese e de ter recebido umas valentes negas, dei-me por vencida e fiz a única coisa que, por mais abjecta que fosse, era a única possível: pedi ao meu irmão.

Às duas da manhã lá fui eu, de fininho, com alguns rodeios e meias palavras, sorrisos temperados e muita, tanta!, boa-educação, e perguntei:

- Podes dar boleia amanhã a 4 crianças da associação para podermos ir à praia de Carcavelos?

Acto contínuo, ele responde :

- Posso.

Estranho.

- São é 30 euros, mais 5 para a gasolina.

- Mas é pelas crianças!

- 30 euros, e pagos agora.

Chulo.

Mas depois, uma ideia brilhante. Fui directa à mala da minha mãe, abri a carteira e retirei duas notas de €10 e umas moedas. Depois, fui ao quarto da minha mãe, acordei-a com uns tabefes nas costas e expliquei:

- mãe, tirei-te 30 euros.

ela, num profundo estado de sonolência, inquire: "porquê?"

ao que eu respondo, num porte egrégio e profundamente digno:

- é o preço a pagar por teres educado uma criança que tinha tudo para ser normal numa verdadeira besta sem qualquer noção de abnegação e delicadeza.

Calou-se.

E eu ri-me, ri-me, até no dia seguinte ser acordada às sete e meia aos gritos pela minha mãe para ir devolver os trinta euros. Devolvi e, chorosa, lá fui ao meu "migalheiro" e retirei o dinheiro.

Agora o deprimente da história (verídica, o que seria da minha vida sem o PC), é que no dia seguinte algumas crianças faltaram.

Susana, à porta da capela, mais uma vez de fininho e numa infinita doçura:

- Olha, afinal já não preciso de boleia. Faltaram 5 miúdos.

- Ok.

Ok? Então e a explosão de loucura mais o acesso de cólera galopante?

- Tchau - lança ele, entanto põe o carro a trabalhar.

- Anda cá, dá-me então o dinheiro!

- Já ajuda no Sudoeste- grita ele já no fim da rua.


Porquê pai?...
Bela merda de cromossoma que foste generosamente doar. Não valia mais teres outra gaja?