terça-feira, fevereiro 27, 2007

O Congolês II

Num destes azafamados dias, tive que ir à Segurança Social.

Debruçada sobre a mesa, com uma mão agarrava a funcionária pelos colarinhos e clamava misericórdia enquanto com a outra segurava um lencinho de papel e limpava o narizinho fungoso, resultado de um útil choradinho mas, confesso, bastante cansativo.

Por fim, a funcionária lá se compadeceu e levantou-se indo buscar o documento necessário.
Eu, vitoriosa, sorri maquiavelicamente e recolhi os documentos espalhados pela mesa.

De repente, surge-me vindo nem sei bem de onde, um pequeno marginal, meio aciganado com franco mau aspecto e a ponta de uma arma branca a sorrir num bolso de um casaco.

"Ó Meu Deus, será possível ser roubada aqui em pleno guichet?" interroguei-me eu

O ciganolas debruçou-se sobre mim encostando-se-me ao ouvido:

(e eu "Ó Meu Deus, será possível ser roubada, apalpada e, quiçá, violada em pleno guichet?")

"Olhe, peço imensa desculpa, corro o risco de ser indelicado mas penso que devo adverti-la que, da maneira como está sentada, estará, eventualmente, a expor-se demasiado".

E afastou-se gingando com a sua arma num bolso e a mão no noutro.

Atordoada, lá puxei o elástico das cuecas e fiquei cabisbaixa, chorosa não por ter as ditas de fora mas porque continuo a ser uma grandessíssima atrasada preconceituosa.

quarta-feira, fevereiro 21, 2007

Ajuda especializada

Hoje abri a minha primeira conta de poupança.

Passados 25 minutos, retornei derrotada ao banco para perguntar o que fazer, caso pretendesse levantar já algum dinheiro.

Bati fundo na minha curta e depauperada existência.

quarta-feira, fevereiro 14, 2007

Conspurcação de uma menor

Quando eu frequentei pela 1ª vez um ginásio, já lá vai mais de uma década, tive um sábio instrutor de musculação (sim, a sério, são um adjectivo e substantivos que efectivamente se podem conjugar!) que me advertiu que:

O homem e a mulher fazem parte do reino animal e comportam-se como tal. As fêmeas só querem cuidar das crias e os machos só querem copular indistintamente com todas elas.
Após ouvir conversas intermináveis de amigas que não têm sexo há 2 anos mas já pensam em que maternidade querem ir parir (CUF Descobertas está em 1.º lugar), e de amigos que se esmifram em mentiras labirínticas para poderem cobrir a amiga, a amiga da amiga e uma prima de Fornos de Algodres da amiga da amiga (haja fôlego para tanta amizade), suspeitei que o sábio musculoso tinha razão.

Felizmente lembrei-me que tenho terror a partos, vaginas dilatadas e vulvas inchadas.
E um namorado que é macho mas muito gaja e abomina confusão.

Hoje olho para trás e acho que o eremita musculoso queria era tirar uma lasquinha.
É atrasado tem teorias parvas. Não o quero para pai dos meus filhos.

segunda-feira, fevereiro 12, 2007

O Paquiderme

Hoje manhã houve um tremor de terra e o edifício abanou todo. Como eu estou no 3.º andar, a repercussão foi ainda maior.

Ora, nano-segundos antes do impacto eu levantei-me da secretária e fui buscar uns códigos à prateleira. Estava eu a recolher o de 2003 quando toda a sala se virou para mim. Estaquei com o código na mão e devolvi-lhes o olhar.

“Susana, foste tu?”
“Fui eu o quê?”
“FUJA FUJAM! ISTO VAI ABAIXO, FUJAM PELAS ESCADAS!” – gritou alguém no corredor

E parte tudo em debandada comigo atrás. Chegámos cá abaixo e a malta toda excitada, com a mão no peito e a suspirarem fundo. Cruzei os braços, de trombas, e virei a cara para o lado.

“Que foi Susana?”
Nem respondi.

Há um sismo que abana um edifício que comporta 1100 empregados e perguntam-me se fui eu a levantar-me da cadeira.

Mas sabem o que é verdadeiramente mau? É que eu não senti absolutamente nada. E depois ainda pensei que estavam a gozar e fui a última a fugir, só o fazendo porque encontrei naquele virote um bom motivo para ir para a rua beber café.

2 conclusões:

- o meu hipotálamo não está a fazer um bom trabalho.
- Nunca mais falo aos meus colegas.

quinta-feira, fevereiro 08, 2007

Bom Dia!

Hoje de manhã, aqui na Expo, desfilou uma imponente parada policial, com as autoridades engalanadas nos seus lustrosos uniformes e montadas em cima de poderosos alazões de sangue puro.

Os airosos polícias, a quem só faltavam dois penachos atrás de cada orelha e uma pluma espetada no rabo tamanha era a vaidade que os consumia, olhavam para todos os lados certificando-se que nem uma única alma desviava os olhos de tamanha parada.

Eu, na realidade, fui uma dessas pessoas. É que não consegui mesmo deixar de olhar para dois polícias que, lado a lado, trotavam em cima dos respectivos cavalos, os quais, sem qualquer sentido de dignidade e respeito pela ética militar derrocavam violentas conchas de bosta em frente ao Vasco da Gama. Atenção, sublinho, não estamos a falar de amorosos montinhos, mas sim de dejectos de proporções simplesmente inqualificáveis. E que lançaram no ar (já de si pouco impoluto graças ao Tejo) um odor peculiar, ligeiramente almiscarado com notas secas, que deixou os peões atordoados e os condutores aliviados por estarem hermeticamente protegidos.

Enfim, um momento único de contribuição para o prestígio e valorização moral das forças armadas. A juntar aquele em que ia com mais duas amigas e o bófia arrota para uma delas: "eh cavalona, partia-te essa bilha toda!"

terça-feira, fevereiro 06, 2007

As aparências

Aqui há umas noites estava no carro e o namorado aponta para umas ervas e diz:

“Olha ali que grande ratazana”

Debruçada sobre a janela observando-a atentamente acrescento:

“Ai é enorme, parece um coelhinho”.

Silêncio. Ele numa voz compassiva,

- “Vês...”

O meu olhar tornou-se vítreo e fiquei pálida como um círio.
Tornei-me naquilo que abominei ser. Por segundos fui a menina bojuda da Torre de Belém a confundir um rato de esgoto com um adorável leporídeo. Mas caramba, a ratazana do outro post estava em plenas exéquias fúnebres, imóvel de pernas para o ar, esta avistei-a de soslaio pois fugiu num ápice por entre as couves!

Conclusão sumária:

A miúda era mesmo burra
e as ratazanas também
eu não
e coelhos são só para pendurar nas oliveiras de cabeça para baixo e fazer arroz na Páscoa.

Adoro cães

segunda-feira, fevereiro 05, 2007

A Quebra

Há quem tenha avançado que eu estou viciada no Casino.

Elucido que eu estou viciada sim, mas em algo muito mais (sotaque mineiro) gostoso...

Caros confrades,

estou oficialmente convertida ao “Lost”. O engraçado é que ainda antes de ter visto um único episódio, já sabia a história toda até à 3ª série, episódio 6, filmado em Novembro de 2006 nos E.U.A: Veículos informativos: =>wikipédia + www.lostinlost.globolog.com.br

Por favor, viciem-se, para poderem conversar comigo e trocarmos ideias, bilhetinhos e fazermos conspirações. Advirto que tenho uma teoria particularmente inteligente mas só a divulgarei quando tiver assegurados pelo menos um estrado num palco de 25 cm e 5 holofotes sobre a minha pessoa (o estrado estará sob, espero).

E meu Deus,

Perdoa-me atempadamente pela quebra dos seguintes mandamentos:

6.º - Guardar castidade nas palavras e nas obras
9.º- Guardar castidade nos pensamentos e desejos
10.º - Não cobiçar as coisas alheias.


MAS QUE DIVINDADE GREGAÉ AQUELA A QUE DÃO O NOME DE SAWYER? E como é possível ao 3.º dia Fazeres coisas tão belas e ao 4.º Mandá-las para outro continente??

God, make me Pure but not yet.

sexta-feira, fevereiro 02, 2007

Ronaldo, a micro-versão

Ontem, no casino de Lisboa, fico frente a frente com um chinês.

Até aqui nada de inaudito, é sabido que no casino coabitam 58 asiáticos por cada 2 europeus e 0.005 afro-hindus.

O que se revelou verdadeiramente intrigante foi o facto deste chinês, e passe, obviamente a alarvidade racial que dentro de 5 segundos vou escrever mas que corresponde, afinal a uma constatação estético-visual,

Este chinês era, na realidade, BONITO. Eu sei, eu sei, sou uma mentirosa compulsiva e a grande maioria dos meus posts estão despudoradamente adulterados. Mas, afianço-vos, aquele exemplar possuía traços fortes, maxilares bem definidos, testa larga e confiante. O cabelo, despenteado, era de um preto-azeviche brilhante e bem cuidado. Uma boca pequena, mas cheia, brancos alvos e um sorriso doce. Sem mencionar, claro, dois olhitos rasgados simplesmente amorosos, que saltitavam alegremente pelas várias casas da roleta.

Enfim, gostei. E gostei também de saber, hoje no Diário da Manhã, que o Sr. Chinês é uma nova aquisição do Benfica.

É simplesmente irrefutável: eu tenho faro para a coisa - cheiro futebolistas à distância.
(e ANTES DOS JOGOS, que sob o ponto de vista higiénico-sanitário torna a façanha muito mais meritória).

quinta-feira, fevereiro 01, 2007

Será que? Não.

Caríssimos,

É com incontido orgulho que declaro que nada escrevi esta semana porque,

Tambores-check
Tamboristas-check
Rufos crescentes-check

Estive a trabalhar!!!!

...

Num processo judicial de um amigo meu.

No horário de expediente.
Ainda não foi desta que justifico as vossas contribuições à máquina administrativa.
Sorry...