segunda-feira, julho 10, 2006

justeza profissional

Hoje, num dos raros momentos em que me debati com algum trabalho profissional,

fui obrigada a debruçar-me sobre a pretensão de um cidadão, bem fundamentada é certo, mas de alguma complexidade técnico-jurídica que me levou algumas horas de estudo profundo sobre um dos nossos Códigos.

Ainda hesitante sobre ou deferimento ou não, descubro consternada que o que havia levado aquela situação fora a alienação de um painel de azulejos, pela módica quantia de

1 MILHÃO E SEISCENTOS MIL EUROS! AZULEJOS!

indeferi instantaneamente.
Tenho a profunda convicção legal de quem vende um par de mosaicos por 300 mil contos não merece mais alegrias.