segunda-feira, julho 31, 2006

o verdadeiro momento zen no tai chi

Vou tentar sintetizar ao máximo:


eu
estágio internacional de Budo (artes marciais)
muitas pessoas, mas muitas mesmo
jantar japonês
sushi
ligeiro ardor no estômago
concerto privado de Maria João e Mário Laginha
numa sala à luz das velas
com o público todo sentado no chão
Susana está na frente
começa a sentir-se mal
com tosse e vómitos à mistura
tenta conter-se
olha para trás, vê uma multidão disforme atrás de si, pelo que se quiser passar terá que saltitar por cima de 250 cabeças
a tosse aflige-a cada vez mais
já não está a aguentar
a Maria João continua com os seus trinados insofismáveis
está paciente e mortalmente esperando que Mª termine a cantiga para fugir e ir vomitar-se
ela nunca mais termina
começa a rezar com o beiço ja a tremer
a tosse já lhe faz chegar as lágrimas aos olhos
a Susana pensa que nunca esteve numa situação tão difícil
começa a suar em bica e com princípios de desmaio
finalmente a música pára
num ápice só se vê uma silhueta recortada à luz das velas (esguia, muito esguia) a rasar cabeças, cruzando corpos, toalhas, em direcção à porta
a Susana demora sensivelmente 15 segundos a conseguir sair da sala
está descalça (porque o Mestre assim o impôs a toda a gente)
dirige-se freneticamente à casa de banho
antes de entrar lembra-se que não tem chinelos
caga bem no assunto e entra descalça, a patinhar em águas suspeitas
vomita-se toda

e pensa: "consegui"

sexta-feira, julho 28, 2006

Viva a Intranet

Caríssimos,

é com a voz embargada pela comoção que anuncio que escrevo estas linhas no pc do meu trabalho.

Não, não se amedrontem, o dinheiro dos vossos impostos continuará a ser bem empregue no salário desta vossa criada, já que a internet só está disponível sob o regime fascita das chamadas "happy hours", que de felizes não têm nada, pois só me fazem lembrar quão longe está o meu computador maravilha, sem restrições nem horas mundanas.

O certo é que a internet só estará disponível das 17h30 da tarde às 9 da manhã, e na hora de almoço, das 12h30 às 14h.

Aplicação prática deste presente envenenado:

atendendo ao facto inequívoco de que eu chego sempre às 9h30, saio sempre às 12h25 disparada para o ginásio (ou, aos dias 20, para a desgraça consumista), e à tarde saio 5 minutos mais cedo para apanhar o comboio,


É NULA! APLICAÇÃO NULA! BANDO DE CRIMINOSOS!


p.s. - só estou aqui agora porque me enchi de línguas de veado de manhã e não me consegui arrastar para o almoço.

quarta-feira, julho 26, 2006

Ops, enganei-me

Estava um dia destes com um amigo, quando reparo inocentemente numa carrada, minto, numa alarvidade de abdominais que aquele homem tem incrustados no seu corpo.

"Ehhhhhhhhhhhhhhhhh LECAS!! Andamos a ir muitas vezes ao Holmes Place não?" comento eu com os olhos a brilhar

"Pois..não, eu quando era pequeno fazia competição de natação. O meu treinador puxou demasiado por mim e eu fiquei com um problema grave chamado hipertrofia abdominal. Basicamente os meus abdominais cresceram e não ficaram a caber na cavidade torácica..vou ter que ficar assim para sempre". lamuriou-se, com o olhar marejado de lagrimas e o beiço a tremer de desgosto.


Quando olhei novamente já não me pareciam abdominais. Pareciam-me pistachios com olhos.

Impressionante, o poder da informação faz mesmo milagres.

Fugi a sete pés.

sexta-feira, julho 21, 2006

Desafio:

Um dia, numa repartição de Finanças em 1999, apercebi-me que as pessoas que estavam na fila para o imposto sobre sucessões estavam todas vestidas de preto.

Fiquei emocionada com a própria argúcia e poder de observação.

Pouco tempo depois saio da Repartição, atravesso a estrada sem olhar e apanhei com um carro daqueles que não precisa de carta de condução, vulgo "porra-velhos", que acertou numa perna que me ficou a latejar durante 2 semanas.


Alguém consegue perceber a moral deste história? (sim, tem uma)
Não, não se dão alvíssaras.

terça-feira, julho 18, 2006

Continuo a gostar de comida

Gostaria de perguntar se mais alguém é viciado em iogurtes cremosos com pintarolas e/ou Minimilks de 33 ml.

Por favor, qualquer missiva remetam-na para o e-mail,

eu agradeço, e a vossa dignidade também.

p.s- aceitam-se versões adulteradas de pacotes de Conguitos do DIA e e hamburgers de queijo fossilizados do LIDL.

Não há motivo para nos envergonharmos sozinhos.

Portuguesa cidadã do Mundo, aliás, do Vasco da Gama

Criei um ritual.

Aos dias 20 (sacralizado por ser dia de pagamento) não como. Mal bate o meio-dia e meia do almoço, corro disparada para o multibanco mais próximo, levanto o que posso e mimo-me com bons cremes, bonitas roupas e maravilhosos livros no espaço de 1h30.

Depois regresso ao meu local de trabalho, aviada com 2 dezenas de sacos qual bimba no país dos descontos, de estômago vazio mas de peito cheio, feliz que nem um pássaro.

Aos dias 21 chego taciturna, desolada e arrependida, com os talões de troca em punho e pensando "mas que grande merda, para que é que eu fui comprar isto?".

E o ciclo repete-se ininterruptamente.
Novo-riquismo no seu mais puro estado de saloísmo.

Piquei-me

Ao contrário do que o Gustavo alvitrou não, eu não deixei de escrever posts para que o último fosse bem saboreado, se bem que a ideia não me desgosta de todo,

o certo é que nos ultimos 4 dias da semana passada habituei-me (vos?) mal.

Sim, porque com uma oral no dia 14 as 10h da manhã, eu, num impulso de auto-destruição evidente, lembrei-me de, nas vésperas, lavar sanitas, incluindo a da garagem (só lá vão homens, garanto, foi uma experiência de quase-morte), limpar o pó aos cantinhos dos armários da cozinha, lavar o frigorífico (incluindo as prateleiras!!! descobri lá objectos insofismáveis, já não fabricados desde 1987!),

cheguei até (pasme-se) a CONVERSAR COM O MEU IRMÃO! TIPO: CONVERSAS! Diálogos, orações com sujeitos, contracção de proposições e complementos directos.
.
tudo isto para evitar o inadiável: estudar.

Dentro dos devaneios desesperados lembrei-me, inclusive, de escrever aqui 4 e 5 episódios diários, sendo que o meu momento salsichiano era a aúrea zen do meu dia.


Perspectivem: não, eu não escrevi pouco desde sábado, eu escrevi foi muito até 6ª.

Hás-de cá vir Gustavo Manuel.

sábado, julho 15, 2006

Sobrevivi

APROVADA COM DISTINÇÃO!!!


Como eu adoro o Direito, a advocacia, ó que nobre profissão!

Profissão? Vocação!É a voz da razão ao serviço da verdade, somos uma magistratura cívica, lutando contra o arbítrio e a iniquidade!

Como eu adoro livros, códigos, ofícios, a Ordem, ó que bela e prestigiada Ordem que eu tenho orgulho de pertencer!


Sou uma vendida, mas a partir de ontem uma vendida qualificada.

quinta-feira, julho 13, 2006

Sistema Esq(uizo)lético

Meu Deus,

obrigada pela Tua bondade e desmesurada misericórdia.

Acabei de reparar que tenho os ossos da clavícula (será? isto sou eu a atirar para o ar, aqueles ossitos debaixo do pescoço)

finalmente SALIENTES! voltaram à sua condição normal e viram-se livres do jugo aterrorizador das glândulas gordurosas!

Estou tão feliz que nem vou estudar mais.

...


De que vale ter clavículas ossudas se tenho sempre a voz da consciência a martirizar-me?

Quando acabar a oral vou assassinar o grilo falante e cozê-lo para o almoço. Ah, mas depois lá se vão as clavículas ossudas, não posso comer demasiadas proteínas! Isto realmente o Universo está muito bem estudado. Hum..deixo o grilo da consciência em paz, impossível enganar o Arquitecto.


p.s.- este post pode parecer estúpido, mas não é. asseguro-vos. Pelo menos não na sua totalidade.

tenho que ir estudar.

menos de 24 horas, a doença agrava-se

Vantagens de ter uma oral de agregação perante um Júri de 4 pessoas amanhã:

- estou com uma grande dor de barriga e já fui à casa de banho muitas vezes (relembro, no entanto, que as meninas só fazem xixi), pelo que já perdi em 4 dias, mais um quilito;

- a minha mãe mima-me, comprando boas frutas, carregando-me o telemóvel e oferencendo-me as lentes de contacto semestrais (poupei 49 euros, oh joy oh happyness!!)

- o meu pai não me mima, mas também não me repreende

"MAS TU NÃO TENS 2 TELEMÓVEIS?? PORQUE É QUE USAS ENTÃO O TELEFONE FIXO? NÃO SAIRIA MAIS BARATO IRES TER A CASA DAS PESSOAS E FALARES COM ELAS? 9 MINUTOS NUMA CHAMADA MAS TU ÉS LOUCA??"

"mas pai,a Tininha estava no Cadaval.."

"APANHAVAS A A8 SUA PREGUIÇOSA!"

"mas pai, o Nuno levou o carro"

"IAS AO CAMPO GRANDE E APANHAVAS O EXPRESSO PARA A LOURINHÃ!"

"mas pai,o bilhete custa 11 euros com cartão jovem, e a chamada custou 0,43 cêntimos"

"TU CALA-TE E NÃO RESPONDAS A TEU PAI"



E pronto, este diálogo deprimente vem á laia de colmatação porque realmente não estou a ver grandes vantagens em fazer a oral amanhã e passar uma vergonha descomunal.

Vou tentar falar com alguém do conselho distrital e perguntar se, não correndo nua, haverá possibilidade de o fazer com um par de peúgos e um soutien de alças reforçadas.

O máxmo qe me pode acontecer é apanhar com um processo disciplinar. Mas a isso já estou sujeita desde um post que escrevi sobre o exame escrito de Dezembro. Que emoção ter a espada sobre a cabeça.

quarta-feira, julho 12, 2006

Façam-me parar

Estou profundamente indignada.

Ainda não percebi se vós, tal como eu, também acreditam que havia ali um picozinho a azedo na relação do Português com o Zezinho do Meu Pé de Laranja Lima.

Ou estão todos compactuados com o Álvaro Reis, director daquele sacrilégio?

Não quero estudar, odeio livros, abomino candeeiros, horrizam-me marcadores fluorescentes,

eu quero ir a ROTERDÃO. Com uma cédula profissional no bolso.
por este andar vou mas é com um carimbo na testa (Burra)

Estou a entrar em estado semi-comatoso.

Estou notoriamente doente

Oral daqui a menos de 48 horas.

Imagino o diálogo:

Prof do Júri, velho, barrigudo, ligeriamente drogado, voz de bagaço e unhas compridas, cabelos a sairem das orelhas e a cheirar a vinho:

"Então diga lá, quando é que vai apresentar o rol de testemunhas no processo sumário?"

Susana, nova, com uma ligeira barriguinha sexy, ligeiramente drogada pelos calmantes, unhas compridas vermelhas escuras, cabelos pretos sedutoramente caídos pelos ombros e a cheirar a água de rosas:

"Pois, não sei, mas já lhe disse que ali no Solinca são uns grandes porcos, que o meu irmão me estragou a bicicleta quase nova, que a minha mãe me subornou e bem com um portátil, que tenho um cão estropiado e acho todos os homens que conheço indignos de serem os pais dos meus filhos, excepto o Bruno Lopes que para mim é uma gaja e o Tiago Boto que também é outra gaja e já viu a pena que tenho por não ser homossexual (apenas os eternos pensamentos ímpios com a Belluci)?"

e o Júri:

"Não, por acaso não me recordo que me tenha dito isso"

Susana

"Considere-se notificado, então"

e sai segura, aprovada com distinção.



Acho que vou tomar um Voltaren.

Após leitura do post é favor anotar na Moleskine

Houve alguém que disse que se mede o nível de popularidade de uma pessoa pelo número de festas surpresa com que já foi brindada.

Pensei no assunto e cheguei à conclusão que nunca tive nenhuma.

Depois pensei melhor e concluí que o facto de andar a alardear 3 meses antes o meu aniversário, com actos bastante concretos nomeadamente:

mandar sms e e-mails grupais,
deixar bilhetinhos dentro das mochilas dos portáteis
fazer interpelações admonitórias via postal
alugar avionetas na comarca de Lisboa

é capaz de não ajudar à preparação de uma festa surpresa,

nesse dia tão lindo que é o de 23 DE AGOSTO,!! (sou alérgica a peshisbeque relembro)


Este ano vou ficar bem caladinha.

Uma escolha cerceada

6ª feira tenho a oral de agregação da Ordem.

Tenho uma amiga que também a irá fazer e me disse, olhos nos olhos,mãos nas mãos,tremendo levemente com ar psicopático mas marejada de sinceridade:

- Susana, eu preferia passear COMPLETAMENTE NUA PELA EXPO, DE UMA PONTA À OUTRA, 2 VEZES, a ter que fazer o exame.

Pois, mas quem está está pejada de estrias e não dispensa, nem por milisegundo o seu mimoso soutien, acaba por não ter grande alternativa não é?

odeio magras, duplicam-se-lhes sempre as possibilidades.

segunda-feira, julho 10, 2006

Triste? Correcção, foi o degredo.

Hoje a minha chefe entrou sem bater à porta, por volta das 16h30 com um calor abrasador.

Não posso descrever num post a situação dramática que se viveu.

dos 6, 5 encontravam-se espalhados pelas cadeiras e sofás
dos 5, 3 dormiam efectivamente.
dos 3, 2 ressonavam.
dos 2, 1 já falava durante o sonho (ou seja, já ia na fase paradóxica, mexia os olhitos e levantava as sobrancelhas)


moral: foi triste.

justeza profissional

Hoje, num dos raros momentos em que me debati com algum trabalho profissional,

fui obrigada a debruçar-me sobre a pretensão de um cidadão, bem fundamentada é certo, mas de alguma complexidade técnico-jurídica que me levou algumas horas de estudo profundo sobre um dos nossos Códigos.

Ainda hesitante sobre ou deferimento ou não, descubro consternada que o que havia levado aquela situação fora a alienação de um painel de azulejos, pela módica quantia de

1 MILHÃO E SEISCENTOS MIL EUROS! AZULEJOS!

indeferi instantaneamente.
Tenho a profunda convicção legal de quem vende um par de mosaicos por 300 mil contos não merece mais alegrias.

domingo, julho 09, 2006

1.º aniversário

Hoje faz um ano que eu iniciei este blog.

Não, por acaso não faz, é só 3ª, mas pensei que desencadeasse um momento bonito se dissesse isso agora.

E, um ano depois, o inevitável balanço:


- mais divertida,
- mais confiante,
- mais endinheirada (bendita gestão pessoal para tótós)
- mais magra
- mais solteira

por falar em solteira,
para bom entendedor

o que eu gostei mais neste ano? da minha médica quando me viu em Junho. Sussurrou-me "Parabéns", e eu fiquei feliz.

mega-vergonha

Na 6ªf fui à minha aula de flexibilidade no Solinca.

Uma sala apinhada de gente, gajos incluídos,

e a Su com o seu ar mais sensual, no seu top a condizer com as legging e descalça.

depois de uma hora em poses adoráveis e movimentos hiper-sexys, deito-me para o relaxe final, peito esticado, anca redondinha e rabinho empinado. Depois descubro, HORRORIZADA, que tinha as plantas dos pés completamente pretas por algum motivo obscuro, pareceu-me que pisei uma espécie de graxa no balneário,ó meu Deus nem quero pensar (e não se alvitre que não lavei estes mimosos 37!!)

Foi um momento triste, só isso, às 6ªas passarei a fazer Body Balance noutra sala, não tenho cara nem sola dos pés para enfrentar aquela gente.

Medo

acabei de vender 10 t-shirts do Projecto Crescer à porta da igreja.

agora vem a correcção: acabei não, a Zélia acabou, porque apesar de eu ser uma grandessíssima desenvergonhada, o certo é que me dão os pudores despropositados nestas situações queridas e amorosas como as de vender t-shirts mimosas com a oração de S. Francisco impressa em letras docinhas, para ajudar as crianças na sua próxima Colónia de Férias.

A Zélia apregoava as virtudes do algodão e afins,
eu barriquei-me atrás de um Opel Vectra fingindo que não era nada comigo, ainda rescaldada da lap dance artesanal que fiz na despedida de solteira de uma amiga no dia anterior.

Continuo com as prioridades do avesso

sexta-feira, julho 07, 2006

O certo é que me amo e muito

Ontem no curso de escrita criativa foi-nos pedido que escrevessemos 3 episódios, a apresentar para a semana, sendo que dois deles têm que ser verdadeiros e profundamente bizarros, daqueles que nos fazem duvidar da honestidade ou mesmo capacidade intelectual de quem se arroga de os ter vivido, e um completamente falso. Interessa confundir os colegas de forma a que estes não consigam distinguir a verdade da mentira.

após horas a bater com a cabeça nas paredes percebi que não tenho habilidade inventiva para mentir. Quer dizer, mais ou menos.
O que importa retirar daqui é que se fossem 3 episódios verdadeiros bastava-me reler os posts do mês de Agosto e fazer copy paste. Como um tem que ser falso tive a comprovação metafísica de que a minha vida, definitivamente, ultrapassa-me.

Medo.

quinta-feira, julho 06, 2006

Jantar refinado

Outra coisa estranha: cabisbaixos do jogo, fomos hoje jantar às bifanas da 24 Julho.

em pleno jantar (se é que assim merece ser apelidado um pão com chouriço bolorento e um caldo verde mortiço com pedacinhos de unhas a boiar)

começamos a ouvir alguém dentro da cozinha a rezar uma ladaínha asneirenta do pior que pode haver. Primeiramente, numa ténue voz lamurienta, minutos mais tarde já estávamos todos com uma mão no tabuleiro outra na carteira prestes a fugir, tamanha era a barulheira e capacidade aterrorizadora da senhora.

Esta, por motivo não apurado, zangou-se com um homem, achando por isso que a melhor maneira de o ofender era segurar profanamente nas suas próprias partes púdicas e gritar-lhe aos ouvidos "TU TENS UMA C...!" (Ainda agora não domino o alcance da ofensa, mas depreendo que o que ela quisesse dizer incluísse o conceito de pequeno pénis e parca satisfação feminina.)

Ficámos boquiabertos, até a vermos saltar balcão fora, a praguejar "Cabrão do c..., seu f.. da p..., merecias morrer paneleiro de m... a tua mãe é uma v..., tu queres é p.., tens uma c... maior que o c.. do teu namorado, f...lhão do c..."

Isto só assim já teria imensa graça (teve, asseguro-vos), quando, para nosso imenso gáudio, o padeiro das bifanas sai em defesa da copeira e atira-se contra o homem injuriado, dando-lhe duas valentes galhetas.

Entretanto, e connosco a beber sofregamente a coca-cola e a deglutir os pedacinhos de unha acrescidos da sopa qual drive-in barrasco de Moscavide, o homem que apanhou na cara riposta e bate também no padeiro.

Emocionadíssimos, a clientela segue o desenrolar desta tragicomédia no mais profundo silêncio, até que se ouve uma voz impaciente de um cantinho da sala " ENTÃO Ó CHEFE E O MEU MENU 4?!!"

Pára a pancadaria e, num gesto meio envergonhado, a copeira pede mais uns segundinhos.

Pergunto-me eu: quem vai ter fome num momento lancinante daqueles? quão grave será a sua vida socio-familiar para estar tão indiferente aos maiores chapadões e asneironas que já ouvi na vida?

Volto lá amanhã, ouvi dizer que o pasteleiro que hoje estava de folga vai arrear no padeiro.