domingo, abril 23, 2006

Why, why me?

Eu sei que Deus nao castiga, nao é sádico

mas convenhamos, de vez em quando sai do seu trono em ouro maciço, atira com o ceptro cravejado a diamantes para trás dos cortinados,

e vem rir-se despudoradamente da minha cara.

Ele bem sabia que ontem eu tinha o exame de cultura dos temas sociais e economicos,
bem sabia igualmente que eram 5 temas, cada um com 12 livros de bibliografia aconselhada,

e que eu tenho sinceramente mais que fazer do que andar a ler bichanices em francês e esquizofrénicos libaneses,


pelo que me compenetrei durante 3 admiráveis horas a fazer as mais belas cábulas de que há memoria na historia daquele concurso de ingresso.


Cataloguei-as com um indice, escondi-as dentro da saia, e la fui mais uns quantos mil fazer o exame.

Para mal dos meus pecados (Pai, estás a sufragar-me pelos pensamentos pecaminosos do pároco no ginasio, confirmas?)

a vigilante seria uma senhora dos seus 60 anos, feia de meter dó, mal amada e, certamente, mal "orientada", daí descarregar a sua frustração/tensão sexual em nós, jovens vigorosos expectantes das aventuras deliciosas da vida,

pelo que não consegui vislumbrar uma única consoante das minhas cabulas, que infâmia!!

Pior, que vergonha, pois saiu a Bioética,

e a unica coisa inteligente que me lembrei de dizer foi que a Medicina tinha que se pôr a pau,

que qualquer dia nascemos todos "in vitro" e morremos todos "in machina" (lembrei-me a proposito do "mar adentro"), que profundo nao foi?

E Deus a rir-se baixinho,

E eu a chorar compulsivamente, porque é que as notas vão sair numa PAUTA PÚBLICA?!!