sexta-feira, abril 28, 2006

o meu 1.º emprego

Tantas vezes que a realidade ultrapassa a ficção (nao me refiro aos ovnis obviamente, dou o assunto por encerrado),

que alguma vez me teria que calhar a mim.

Vou começar a ser oficialmente um adulto no dia 15 de Maio,

data em que me deslocarei ao meu 1.º local de emprego.


Não estranhem se a partir daí este blogue se passar a denominar "Tarde de mais, já me desgracei", porque eu não estou preparada para crescer (nao quero trabalhar :(, quero mestrados, doutoramentos, jubilamentos catedráticos, workshops, intercâmbios mas por favor..nao me responsabilizem com trabalho)


Não estranhem também se deixar de escrever aqui por algum tempo. Acho que se chama stress pré-traumático. E pós também terei certamente.

Já me sinto um farrapo humano e ainda faltam 15 dias.

A minha auréola (extra-mamilar)

Confirmei ontem que eu tenho uma auréola iluminada, em tons raiados de amarelo mesmo por cima da minha cabeça.

Tanto dá para o bem como para o mal,


no dia em que o dentista me cortou a gengiva errada, estava lá

no dia em que eu e zélia nos virámos na canoa duas vezes numa manhã, quando o instrutor disse que nunca tinha visto nenhuma virar-se durante um ano, estava lá

no dia em que o cabeleireireiro me esfanicou o cabelo em pedaços, rindo-se selvaticamente do seu trabalho glorioso com os olhos lampejando de histeria esquizofrénica, estava la (mais perceptivel ainda, devido aos meus parcos 5 cabelos)

no dia em que me apareceu a primeira menstruação, em plena audição para os Jovens Cantores de Lisboa, estava lá

no dia em que fui literalmente arrastada pelos seguranças do aeroporto esbracejando freneticamente enquanto gritava " PORRA EU TNEHO UM GARFO PARA COMER O ATUM E VOCÊS TIRAM-ME A FACA DO TULICREME! FAÇO COISAS INFINITAMENTE PIORES COM ESTE GARFO TIPO ESVENTRAR OS OLHOS AO PILOTO E AGORA COM QUE É QUE EU BARRO O PÃO HEIN? " estava lá, (já com um amarelo mais desmaiado pela fome)


e ontem, felizmente também esteve também lá,

quando eu deixo cair na entrada do túnel para a praia, em plenas escadas

um casaco que eu adoro, com enorme significado para mim, e que fica ali esquecido (mas bem visível!) desde as 9h da manhã até as 16h da tarde,

sem que tenha havido um unico inglês, cigano ou suburbano que lhe tocasse,

regressomos e a Pipa: "O que é isto?" apontando para as escadas

"é meu!!" digo num ápice, recolhendo-o e beijando-o enquanto o afago num abraço sincero.

Vá lá, a auréola ontem acordou para o lado certo, mas fez a sesta para o lado errado

já que às 19h da noite caí das escadas da garagem arrastando comigo a minha própria mãe que acabou sentada com uma perna para cada lado.

Mas teria a vida outro gostinho se tudo corresse bem?

Período de Reflexão.

SIM, EVIDENTE!

terça-feira, abril 25, 2006

Anunciam-se mudanças

Conheço uma pessoa, literalmente execrável,

à qual perguntei aqui há uns tempos se não iria concorrer a um estágio na administração pública.

"LOL (sic), achas que sim, esses trabalhinhos de merda, já tenho lugar assegurado lá no escriório, mas olha que se concorresse de certeza que era dos primeiros, pois domino perfeitamente essa área. Mas não quero, é reles mesmo."


No dia do exame, vejo-o praticamente enfiado dentro de um vaso,tentando pateticamente barricar-se atrás de umas camélias.

"Estás cá hoje?" - perguntei já à cara podre

"Ah e tal", (seguido de uma verborreia ininteligível)e lá fugiu ruborizado.



Ontem sairam os resultados.

Pela 1º vez tenho orgulho de saber e anunciar que as notas vão estar numa pauta pública. O "mestre"..ficou 200 lugares abaixo da ora exponente.

COMO EU ADORO TIROS NOS PÉS!!!

domingo, abril 23, 2006

Why, why me?

Eu sei que Deus nao castiga, nao é sádico

mas convenhamos, de vez em quando sai do seu trono em ouro maciço, atira com o ceptro cravejado a diamantes para trás dos cortinados,

e vem rir-se despudoradamente da minha cara.

Ele bem sabia que ontem eu tinha o exame de cultura dos temas sociais e economicos,
bem sabia igualmente que eram 5 temas, cada um com 12 livros de bibliografia aconselhada,

e que eu tenho sinceramente mais que fazer do que andar a ler bichanices em francês e esquizofrénicos libaneses,


pelo que me compenetrei durante 3 admiráveis horas a fazer as mais belas cábulas de que há memoria na historia daquele concurso de ingresso.


Cataloguei-as com um indice, escondi-as dentro da saia, e la fui mais uns quantos mil fazer o exame.

Para mal dos meus pecados (Pai, estás a sufragar-me pelos pensamentos pecaminosos do pároco no ginasio, confirmas?)

a vigilante seria uma senhora dos seus 60 anos, feia de meter dó, mal amada e, certamente, mal "orientada", daí descarregar a sua frustração/tensão sexual em nós, jovens vigorosos expectantes das aventuras deliciosas da vida,

pelo que não consegui vislumbrar uma única consoante das minhas cabulas, que infâmia!!

Pior, que vergonha, pois saiu a Bioética,

e a unica coisa inteligente que me lembrei de dizer foi que a Medicina tinha que se pôr a pau,

que qualquer dia nascemos todos "in vitro" e morremos todos "in machina" (lembrei-me a proposito do "mar adentro"), que profundo nao foi?

E Deus a rir-se baixinho,

E eu a chorar compulsivamente, porque é que as notas vão sair numa PAUTA PÚBLICA?!!

sábado, abril 22, 2006

Minha Bibi macrobiótica

Desapareceu um bacalhau GIGANTE de cima da mesa.

Se fossem tiritas de milho, ou ovinhos da Páscoa, certamente a suspeita recairia directamente sobre mim.

Como não era, a minha mãe chamou histericamente as cadelas:

aparece uma, meio a medo, a rastejar praticamente colada às paredes

"foste tu?" pergunta a minha mãe já com o chinelo no ar

entretanto passa a outra, a loba, ar descontraído, sorriso de orelha a orelha, andar formoso e confiante, nunca ninguém a acharia comprometida com o acto criminoso.

Até que olhamos melhor e vemos uns bigodes ENCHARCADOS EM SAL!
Só tive tempo de ver a minha mãe disparada atrás dela.

Juro que desta vez até tive pena.

Desalojada

Ontem deitei-me cedinho.

Queria estar fresquinha para o exame de hoje à tarde.

Por volta das 2 da manhã entre o anormal do meu irmão, dá-me um chapadão na cara e, como eu comecei a choramingar um pouco, da-me outra ainda mais violentamente

"cala-te estupida, só quero saber se amanha vens dormir a casa" (os meus pais estao de viagem)

" sei la Nuno, nao me chateies, preciso de dormir"

Outra chapadona,

"diz que eu preciso de saber"

"aiii, sim, venho dormir, agora vai-te embora"

outra chapada,

"NÃO vens nada dormir, amanhã não te quero cá!"


e vai-se embora, deixando-me toda marcada, e, pior, com uma insónia desde as 2h até as 5h, sendo que as 7h me levantei para estudar.


Tantos espermatozóides..PORQUÊ ESTE MEU DEUS, PORQUÊ!!!

sexta-feira, abril 21, 2006

NAOOOOO

Depois das ecos, vou hoje fazer a mamografia,

Há bocado liguei a televisão e vejo no programa da Fátima uma senhora chorosa e, por baixo, a legenda:

"Fez uma mamografia e ficou com o seio defeituoso"


Bem dizia a Rebelo Pinto.

quinta-feira, abril 20, 2006

A auto-flagelação

Ontem tropecei nuns fios do computador(não se preocupem estou bem)

(tipo quando pisei a cortina da banheira em casa da Joaninha e o varão desmontou-se todo em cima de mim com grande estardalhaço, e após 5 segundos de horror sem que alguem tivesse gritado "estas viva?", lá descansei os corações certamente alvoraçados e lhes gritei através da porta "nao se preocupem que eu estou bem"!)


e depois a internet deixou de funcionar.
A minha mãe precisava urgentemente dela e, já literalmente à cabeçada ao computador chorava e dizia "ó Meu Deus, o que é que se passa com este computador"


E eu muito sentadinha no sofá, mordendo os lábios para não me acusar pois a culpa ja me pesava muito.

A minha mae continuava desolada, desta feita já soluçando abraçada à mesa,

e eu sempre a pensar "a culpa foi minha, mas nao me quero denunciar", sempre a olhar em frente não fosse o meu olhar amargurado trair-me.


Até que chega o meu pai e diz " O QUE É QUE FIZERAM AO COMPUTADOR?" com voz de trovão, aí dei um salto e acusei-me, porque a sova sempre dói menos quando é voluntariamente recebida.

"Fui eu, tropecei nos fios e não consegui voltar a ligar a internet" - respondi, com os olhos fitos no jão e avançando já para o tabefe

"MAIS QUAIS FIOS, ÉS PARVA, ISTO FUNCIONA POR WIRELESS!"



Tenho que aprender a optimizar a distribuição de culpas.

E a lista de pecados aumenta

Não ando nada boa..

Então não é que fui ao ginásio ontem e, a meio da minha corrida hilariante na passadeira, (em que tento segurá-las, atar o cabelo, nao cair e beber água tudo ao mesmo tempo),

vejo entrar um rapaz cuja cara não me era nada desconhecida.

Acabo a corrida (sem incidentes, ao contrario do dia anterior em que tentei apanhar a toalha do chão - triste, mesmo) e vou para aquela máquina do remo.

Sento-me, com um olho no aparelho outro no rapaz (mas de onde é que o conheço?)
mas a máquina nao se mexia. E eu primeiro doce e discretamente, depois já ao pontapé, descubro finalmente que o capuz do casaco que trago atado ao rabo se prendeu debiaxo do banco.

Curiosamente, é o tal rapaz me vem ajudar.

Loirito, olhos verdes, barba de 2 dias, uns 20 e poucos, bem constituído.
Fico a olhar, e ele, desconfortavel, sorri e lá me tira o casaco.

Fico mais 30 minutos a pensar.
Até que, finalmente, surge uma luz e interiormente digo "DOPE!"

É o novo Padre lá da paróquia.

Quem mandou tirar os óculos, a batina e pôr uma pulseira tao gira da Nike naquele braço másculo e me fazer ter pensamentos ímpios?

Mais uma para me decidir a eternidade. Qual limbo, qual purgatório!

quarta-feira, abril 19, 2006

A cópula

Não sei como hei-de iniciar este assunto,

mas ontem eu fui a casa de um amigo meu, que mora num prédio. (informação relevante, anote-se mentalmente).

Por volta da 1 da manhã, oiço alguém a gritar aflitivamente.

Com as mãos a tremer consigo segurar no 96 e tentado premir as teclas, e, num estado de puro terror, lá tento marcar o número de emergência médica.

após uns instantes de hesitação: 112, 115, 911? (é o que dá viver no mundo da globalização, sei tanta coisa que não presta para nada e nesta altura só me lembro é de coisas parvas)

(como 95% do tempo em que me mantenho acordada)

até que apanho uma chapada numa mão, ele "o que é que estas a fazer"

e eu "alguém está a sufocar!"

"não Su, alguém está mesmo é a f.."

Medo.

"Impossível, achas que ele ia fazer este barulhão num prédio cheio de gente?" - retorqui eu.

"Su, é o meu vizinho de cima, e já é a 2ª vez que o faz hoje. Vai por mim, não está a morrer e está bem mais feliz que eu e tu neste momento" - esclareceu


Deixei de ter fé na humanidade.

segunda-feira, abril 17, 2006

O Sexto mandamento

Excerto do livro "Já és uma Mulherzinha" - Iniciação das adolescentes nos mistérios da vida (Padre Klemens Tilmann), 1971

"Será o beijo um pecado?

Mais uma pergunta que ocorre sem dúvida às raparigas do teu meio e que te há-de ocorrer também.
O beijo torna-se uma aventura perigosa, uma embriaguez que leva à total perda de dignidade.

Uma rapariga é como um castelo, cuja chave tem que estar em boas mãos para que a sua porta não se abra ao primeiro aventureiro que apareça. Ora a chave, que abre a sua porta, não é senão o beijo.

Conserva-te altiva para que no teu porte, digno e recatado, e em toda a tua maneira de ser, se leia a mais linda divisa, própria de uma rapariga: NÃO ME TOQUEIS!!"


Este lindo livrinho foi oferecido à minha mãe aos 14 anos como "Prémio de assiduidade do Grupo Juvenil".

Passados 4 anos nasci eu.

In your face, Klemens.

domingo, abril 16, 2006

Eu vi um Ovni, quer queiram quer não

Esqueci-me de contar um pormenor:


ontem à noite, lá em ferreira do zêzere, eu e a minha família, composta aproximadamente por 18 membros vimos o que parecia ser um OVNI, as 23h da noite.

Vimo-lo durante uns 10 minutos, tirámos fotos, isto antes de a minha mãe agarrar na minha madrinha e desatarem a fugir para Tomar, levando com elas a máquina, ainda agora nao percebo porquê (levem-nos os filhos, maridos e cunhados, mas a digital NAO!).

Enfim, depois deste episódio grotesco, perturbador, e que nos lançou num profundo silêncio respeitoso, recebo uma mensagem de um amigo, que estava numa terra próxima,a convidar para uns copos na Sertã.


Respondi-lhe ainda embuída da estupefacção e emoção do sucedido:

"João, hoje não posso, nem sabes estamos aqui em Ferreira a fotografar uns Ovnis!!"


resposta:
"f...-se Susana, já ouvi desculpas melhores"


Mais uma vez a realidade transcendeu-me.
E não me venham com as tretas dos balões metereológicos, nem luzinhas de farol. Não sou ainda totalmente estúpida sim?

Faltou-me um bocadinho assim (tipo TUDO)

Voltei da terra.


Ainda estou com a cabeça à roda com tanto beijo, tanto folar, tantos tios, tanta agua pé, tanto frio, tanta hortaliça, queijo fresco, leitão assado,


e, o momento alto do fim de semana,


estando eu enrolada numa manta de retalhos a tiritar de frio, a cheirar a fumo da lareira, com uma bucha de pão com chouriço numa mão, e um copo de sumo Ika na outra, cabelo desgrenhado, roupa preta de fuligem e peúgos pretinhos por andarem a baloiçar-se nos troncos de lenha,


aparece a minha avó aos gritos "ó Susana anda dar um beijinho ao primooooo0!!"

e eu nem tive tempo de fugir, fui apanhada a arrastar com a manta, um pé já na soleira da porta mas fui demasiado lenta,

lá olho eu resignada para o rapaz "deixa cá ver a prenda" pensei eu, a minha avó só me arranja é gente doente (pudera, a família sofre toda do mesmo mal)

então não é que era um jovem garboso, alto, loiro, de olhos verdes, com um sorriso tímido e super duper casual,


A minha avó enlevada , o rapaz sempre sorridente, eu com vontade de chorar ainda com restos de chouriço nos dentes,

e o meu irmão e os meus primos todos chorando a rir atrás de um alambique.



Jesus, isto é que coisa se faça? Próxima Páscoa não me apanhas Tu desprevenida.

sexta-feira, abril 14, 2006

À direcção do Marriot

Será que eu deveria fazer uma compilação das coisas mais degradantes que já me aconteceram ou ir ao hipnoterapeuta fazer uma sessão de regressão e esquecimento compulsivo?

Opto pela 1ª. Faltam-me os recursos económicos para a 2ª.

Isto para dizer que um dia fiquei no Marriot de Lisboa, com o .., e fartámos de curtir aquele dia.

1º pela confusão indescritível que deixámos (houve também um vidro partido mas, acreditem ou não, já não foi da minha competência), 2.º pela cara atónita dos recepcionistas, seguranças e demais hóspedes, quando vêem entrar o gajo da Telepiza hall de entrada adentro, com uma familiar de anchovas e 2 litros de coca-cola numa mão, e 4 pãezinhos de alho na outra, não esquecendo o capacete.

"Vou ao 7.ºB" - grita ele, enquanto se dirigia poara os elevadores, isto antes de seer lançado ao chão por dois bisontes, que o manietam e obrigam a ficar de nariz no chão.


Telefonam-nos para o quarto "Pediram uma piza"?
"Sim..mande subir" - nós todos contentes
"Lamento, mas se a quiser tem que vir ca abaixo"

Desconfio que eles fizeram isto para ver quem seria o autor de tamanha pelintrice.
Lá foi ele buscar a familiar, enquanto uns hospedes depenicavam queijo fresco com pimentos mais umas quantas comidas estas de nomes indecifráveis.

Voltámos para o quarto cheios de gula, e lá foi embora o gajo da Telepiza, com as joelheiras rotas e um grande galo naquela cabeça.

Quanto ao Marriot..penso que estaremos barrados para a próxima vez. Quero lá saber, atentem neste pormenor (e gabarolanço): Já fui ao de Nova Iorque, e ninguém me disse nada por exigir uma toalha na piscina as 4h30 da manhã. Pelo contrário, o toalheiro parecia-me bem feliz, enquanto me via submergir da água cabelo preto escorrido e só com uma tanga branca de lantejoulas.

O tuga sempre é muito mesquinho.

Para grandes males..

Isto da sabedoria popular tem muito mais que se lhe diga.

Eu andava-me a queixar de dores de cabeça atrozes já que a minha cadela todas as noites decidia sair da cama dela e ir para o meu quarto, o qual está sempre com a porta fechada.

Aquela persistente cadela batia delicadamente à porta com a patinha e asseguro-vos que NÃO desistia enquanto não entrasse no quarto.

Tentei fazer jogos psicológicos, do género não abrir a porta (eu sou assim, cheia de truues impensáveis), mas tive que me declarar vencida pelo cansaço, e lá fui eu a arrastar-me após 45 minutos de luta incessante e abrir a porta para ela, majestosamente entrar e enfiar-se debaixo da cama.


Acreditem que levantar-me todas as noites de madrugada, completamente bêbeda de sono, e mesmo que eu já o faça em piloto automático, dá cabo da saúde do humano mais reistente!

Após desabafo com o meu irmão (notem o estado tal de desespero!)e após confessar que ja me tinha ococrrido decepar-lhe a pata esquerda (ela é canhota),

ele sai-se com uma ideia tão assustadoramente eficaz que o olhei com um misto de incredulidade e quiçá apreço.

"e que tal deixares a porta encostada"?

Voltei a ser feliz.

terça-feira, abril 11, 2006

O último adeus: para quando o 206?

Bem, depois de uma amiga minha, hiper cuidadosa e cautelosa na dose certa, ter partido a frente toda de um autocarro da Vimeca (o que eu rezei para não ser a 144),

provocado o maior pandemónio na artéria principal de uma das cidades mais movimentadas do concelho, e fazer com que uma senhora tivesse que sair pelo tejadilho do seu Xsara actualmente propriedade do ferro velho do Quinito,

fiquei a achar que o mundo está bem mais seguro com o chumbo do meu opel corsa na inspecção.

mas, após aturada e complexa reflexão, decidi que não, e vou aproveitar o mês que resta até à próxima avaliação a sacar cavalinhos e traços, a saltar mortais para a frente, puxar do meu novo travão de mão Isotta 478 e advirto ainda que a próxima street race é na 5ªf ali em Fontanelos.

Já sei que após esta interpelação a A8 em direcção a Leiria se transformará num pânico generalizado de pessoas aterrorizadas a tentarem desesperadamente fugir.

Amigos: eu conduzo desde os 12. Estão a ver aquela roda das máquinas de costura antigas, onde se põe o pé para aquilo girar?
Chill out, que quem sabe, sabe mesmo.

Atitude

Ontem fui ao cinema ver aquele filme do como desencalhar um despachado, ou despanchar um desencalhado, ou o encalhado do despacho whatever, não me apetece ir rectificar agora ao Google,

e saio de lá com uma grande lição:

aliás, 2, se atendermos ao facto de eu não ter cartão da BP e me ter apercebido que conseguiria bilhetes à borla caso o tivesse;

enfim, isto para dizer que a sarah jessica parker é uma mulher ultra-sexy, sofisticada e destila charme mas feia como os cornos, com um narigão de impôr respeito e uma queixada de meter o da Teresa Guilherma a um canto, escondidinho a chorar copiosamente.

O truque é mesmo acharmos que somos lindas, podres, bambolearmo-nos sedutoramente, como se tivéssemos um barómetro nas nossas coxas a ditar um compassso binário: um dois , um dois..Sacudir o cabelo selvagem (mais para o encrespado, tenho que tratar disso), e enrolar os colares gigantes nos dedos, mesmo ao nível da linha do decote. Sorrir com os olhos fitos no chão e olhar de esguelha quando valer mesmo a pena.

Não esquecer nunca de morder os lábios, para afluir a corrente sanguínea e fazê-los vermelhos como morangos. (um bocado à laia do que os rapazes fazem, ao meter os polegares nos bolsos..que previsíveis Meu Deus!)

Próxima vez que ouvirem música no Rossio, não são os Pan Pipes do Lago Titikaca , é mesmo a Su a acordar para a vida.

segunda-feira, abril 10, 2006

Red Red Wine

Posso dizer com algum embevecimento que só me coloquei voluntariamente no estado de alcolémia 2 vezes na vida.

Poso dizer com algum transtorno e má-disposição psico-corporal que a última vez foi ontem.

Depois de 3 copos de vinho barrasco (eles juram que fora mais..mas já aprendi a desconfiar de informações grupais) sinto-me ligeiramente alegre, desbronco-me sobre variados assuntos (penso que o golfinho veio outra vez à baila), e depois sinto-me verdadeiramente doente, e só tenho tempo de correr para a casa de banho do restaurante, deslizo pela parede abaixo e bato literalmente com a cabeça no bidé.

Será possível descer humanamente mais baixo que isto?
Sim, quando as luzes se apagam e fico a dormitar abraçada ao rolo de papel higiénico.

2 horas depois lá recupero os sentidos, ainda mesmo a tempo de ver o arroz de marisco amarelo-alaranjado deglutido e com resquícios de bílis a verter pelas calças. é melhor não dormir em casa hoje pensei,

mesmo assim não me livrei, 16 horas depois, de um: "que horror, cheiras a azedo, Susana!"

Não mãe, chanson d´eau de 92. duhh

O verdadeiro degredo

Um dia destes fui eu alegre e saltitante para um exame, desta feita incidindo sobre o maravilhoso mundo processo-criminal.

Atrás de mim arrasto (como todos os outros milhares de juristas enloquecidos), um troley gigante, atafulhado de material de primeira (sim, obviamente era de consulta)
trazendo dezenas de livros e mais umas centenas de folhas dispersas porque apesar e ter tido um ano para as encadernar, é óbvio que nunca levantei o rabo alapado para o fazer.

Um minuto antes do exame, abro embevecida o meu adorado troley, quando fico roxa e com uns laivos de azul,

quando me apercebo que me esqueci em cima da cama do meu código penal e do meu código de processo penal,

que me acompanham desde ha alguns anos e nos quais sempre depositei todas as minhas esperanças, vulgo cábulas e anotações técnicas.

"Alguém tem um código penal e um código de processo penal que possa emprestar?" - perguntei eu em voz sumida, já a deslizar pela cadeira abaixo prestes a enfiar-me debaixo de um taco do soalho.

As 40 cabeças que estavam naquela sala se viraram imediatamente na minha direcção, com um misto de nojo, vingança, alegria e incredulidade.

Ninguém respondeu, até que houve um rapaz caridoso que estava ao meu lado e que lá me emprestou uma edição de bolso do código penal.

Basicamente fiz o exame a meias com o tal rapaz e cada vez que um olhava para o outro desatávamos a rir, porque para além do exame ser surreal, só viamos pessoas às portas da morte, com apoplexias e a baterem literalmente com a cabeça nas mesas!! (Eu vi, a gaja deve ter saído dali toda negrinha!)

E lá estavamos nós, a partilharmos os dois um código em formato micra, sem percebermos um cu daquilo mas suficientemente lúcidos para alcançarmos que a vida é para aproveitar, somos novos, para o ano ha mais, e meu Deus, que gente doida existe neste mundo (EU INCLUÍDA)!