sábado, janeiro 07, 2006

deviam-me ter chumbado na carta - esqueçam, eu chumbei

Pela 2ª vez, a farmácia foi a minha salvação. E ao mesmo tempo, causa de embaraço, da qual saí, para variar, airosamente.

Fui comprar esta semana uma batôn para o cieiro. Neutrogena (€5), altamente amaricado mas que o meu Gonçalo usa. E lá há coisa pior do que o esponsal-macho ter melhores cuidados estéticos que a fêmea. Custou-me mt dar os 5 euros, mas mais que um batôn, comprei um pouco de dignidade (BASTA AOS BATÔNS DO LIDL).

Quando já estava a pagar, e o farmacêutico prestes a colocar a embalagem no saquinho, oiço uma panafernália de insultos, buzinas acirradas e nem precisei de olhar. Pois, era eu, claro.

Tinha estacionado o carro à frente da farmácia, e o autocarro 144 que ia para belém e que, curiosamente, é o que me leva para a fac todos os dias, estava impedido de passar devido ao meu miserável estacionamento.
Ainda não tinha transposto a soleira da porta já ia a antecipar um gozo vitorioso.

Saí a coxear dolorosamente e a arrastar a perna direita perante o olhar desconfiado do farmacêutico.
Coxeei, arrastei-me, manquei até à porta do carro, e, simulando um olhar de verdadeiro sofrimento, olhei para o condutor e pedi-lhe desculpa com uma mão, enquanto a outra segurava o saquinho da farmácia como quem diz " olha, vê,só vim aqui buscar a minha medicamentação semanal. É triste estar-se doente, e tu aí, vigoroso que nem um touro a carregar nos pedais. E vós, pessoas apinhadas que vão agarradas aos elásticos cujo nome não me recordo, calai-vos porque eu sofro mais que vocês todos juntos".

E, realmente, todos muito caladinhos assistiram à minha via-sacra igualmente silenciosa, apenas pautada por um sugestivo mancamento e olhar suplicante. Fiquei tão impressionada que quase me auto-convenci que pertencia a essa estatítica de pessoas com handicaps, que encontram mil obstáculos no dia a dia.

O meu é realmente não conseguir, pura e simplesmente, assumir os erros.
Mas divirto-me muito. (pois, têm razão, também é triste deleitar-me com divertimentos destes, mas eu não vi o Boat Trip, ao contrário de 95% daqueles que me lêem!)

5 comentários:

MonsterGojes disse...

o que parecia ser um gesto de enorme egoismo e desprezo pelo próximo, transformou-se numa enorme palhaçada, aposto que foste buscar esse teu lado à tua avó :-p

Susana disse...

pois, a minha avó também é muito engraçada.
Mas o Bruno Nogueira é a minha tia-avó, parente mais distante.

Pedro disse...

só para não pertencer á parafernália (gosto desta palavra :D ) de leitores que se mantém em silencio, e para dizer que faço orgulhosamente parte dos 5% que não viram o Boat Trip...

beijinhos! **

Ronin disse...

...não acredito... não acredito numa unica palavra... diz a verdade, quem é que viste a fazer estas coisas que descreves? :-p

Anónimo disse...

Very nice site! video editing schools