quinta-feira, dezembro 01, 2005

Milagre

Já não se podem cometer pequenos erros que logo estes nos perseguem para toda a vida...

O ano passado estava eu na casa da minha madrinha, com as minhas primas quando, sem querer, ( porque só sou cleptomaníaca com livros), agarrei no comando da televisão da sala e o pus na minha mala, pensando inocentemente que era a bateria do portátil.

Durante essa semana falei no msn com a minha prima:

elsa - ai, nem sabes, a desgraça que se abateu sob o meu lar!
susana - ai sim, então desabafa, que coisa horrível sucedeu?
elsa- o meu comando da sala desapareceu!!
susana - Por quem sois! isso é horrível, e agora?
elsa - e agora andamos todos chorososo cá em casa, o meu pai coitado, já perdeu a vontade de ver televisão e quando vem cansado do trabalho janta e deita-se logo na cama!
(o meu tio tem uma colecção de hérnias e tenta não levantar-se muitas vezes)

elsa- foi uma desgraça, e parece mentira, quem é que iria levar um comando aqui de casa!
susana - pois, olha era apanhar quem fez isso e espancá-lo até aprender a lição!

No fim de semana seguinte, abro a mala do portátil e vejo, qual rosas de Santa Isabel, o famigerado comando.

Imediatamente entrei em pânico. Não sabia se me haveria de livrar dele, mais concretamente atirá-lo para o Jamor, se discretamente voltar a colocá-lo na casa da minha madrinha, assim como quem não quer a coisa. Ou, 3ª opção, mas logo me ri pondo-a fora de questão: acusar-me e devolvê-lo.

Pois no domingo seguinte, com o ar mais comprometido do mundo, a assobiar baixinho e com os olhos postos num candelabro do tecto, aproximei-me sorrateiramente da televisão e, numa fracção de segundo, saco do comando do meu anorak (que até já tinha levantado ligeiras suspeitas pois estávamos em Junho ) não, é mentira, não levava anorak nenhum, mas enfim, saco do comando das cuecas, lamento mas é a mais pura das verdades e coloco-o em cima da televisão.

Passados uns minutos oiço a minha madrinha aos gritos "Ai meu querido Santo António, que tanto rezei o teu responso, me fizeste aparecer o comando"! e lançou-se aos pés de uma imagem que tem ao canto da sala, soluçando convulsivamente enquanto o resto da família se aproximava boquiaberta e com um fervoroso respeito perante tão grandioso milgare.

Eu saí de fininho, a andar literalmente de lado em pêzinhos de lã, até embater no meu pai, que, com um ar repreensivo me censurava silenciosamente por ter proporcionado tão triste espectáculo. Estava à espera de uma reprimenta valente, mas ele nem teve tempo porque teve que ir ajudar a minha avó a levantar-se pois esta já se havia lançado para o chão tentando beijar os pés do santinho.

Só a minha prima é que sabe a verdade. Cada vez que desaparece alguma coisa lá d casa manda-me uma mensagem a perguntar se eu tenho peças a mais no portátil. Desculpem sim? Ao menos dei sentidas alegrias aos crentes...e mais uma nota de rodapé no meu currículo religioso.

1 comentário:

elsi disse...

Amigos. . .é verdade!