domingo, novembro 20, 2005

Não havia alternativa

A minha mãe há muitos anos trabalhava num hospital civil de Lisboa, profundamente assustador, ali na Almirante Reis chamado Desterro.

Havia no serviço dela uma fotografia aumentada numa escala a 60%, com a legenda "Infeccção nas Criptas de Morgani".

Para terem uma ideia aproximada, a fotografia reportava um caso muito grave de hemorróidas e fissura anal, na qual se mostrava distintamente o que poderia acontecer a a um rabinho saudável caso o Morgani nos atacasse.

Pior: havia no quadro a seguir uma fotografia com a legenda "hemorroidectomia", a qual não consigo traduzir por palavras. Acreditem, não consigo.

Tudo isto para dizer que quando não tinha aulas, era obrigada a ir para o trabalho da minha mãe. Então tinha sempre que passar por esse corredor onde estavam as fotografias emolduradas (sim..que grande orgulho..) como quem passa pela Casa do Terror, a tremer e cheia de nojo.

Um dia, depois dessa temerosa provação do corredor, sentei-me na cadeira da minha mãe e, vendo um tubinho elástico todo catita, começo a soprar nele, colocando a outra extremidade nas orelhas, nariz e outros orifíciosque tais.

De repente levo com um carolo gigante, uma chapada brutal e um empurrão que me fez levantar vôo e, ao mesmo tempo, cuspir o tubinho, que outra coisa não era senão uma algália masculina.

A minha mãe, em pânico, gritava "isso é para pôr na pila dos homens!" e para mim, criança com 9 anos, não havia nada de mais monstruoso do que o falo masculino pelo que quase desmaiei de pavor.

Depois desse episódio deprimente recusei-me a ir para o emprego da minha mãe,pelo que ficou estipulado que, quando não houvesse aulas, iria para o emprego do meu pai, numa Central Eléctrica da EDP.

Na primeira vez que lá fui, ainda não tinham passados 20 minutos quando mexi numa fonte de alimentação. Qual não é o meu grande espanto quando oiço um barulhinho sinuoso e apanho um valente choque de 220 volts.

Todos os presentes ficaram preocupados mas depois riram-se muito, imagino que tenha sido um grande gáudio ver uma criança de 9 anos, com um vestidinho vermelho e verde xadrez, e uma boina verde a condizer, completamente chamuscada e ainda a fumegar.

A conclusão que retirei desta tormenta é que, mais triste que uma criança sujeita a visões hemorrodais e com uma algália masculina na boca, e que uma criança esturricada na presença de adultos é, sem sombra de dúvida,

uma criança sem opções. Passei a ficar sozinha em casa, considerou-se ser a alternativa mais segura.

2 comentários:

Anónimo disse...

Enjoyed a lot!
» » »

matilde disse...

LINDO Susana.descobri este blog por acaso e estou a adorar escrves mt bem,tens imensa piada!