quarta-feira, setembro 14, 2005

Pink Panther

Há uns anos atrás fiquei 1 mês internada no D. Estefânea.

Como hospital infantil que era, todos os seus pisos estavam enfeitados com desenhos, bonecos, e as paredes reproduziam desenhos animados tipo Minnie, Mickey e parentes afins.

No meu quarto estava a Pantera Cor de Rosa. A lamber um gelado.

Ocupava uma parede inteira, por isso não era uma figura que passasse despercebida. Infelizmente, por não ter muito mais que fazer senão ficar deitada na cama, com um catater enfiado na bexiga, e uma fralda gigantesca, fiquei a olhar para esse boneco durante 30 dias, ao fim dos quais já tinha decorado os pêlos do rabo e os dedos das mãos (da Pantera, note-se).

Já nos últimos dias a irmã da minha avó foi-me visitar. Trouxe-me flores e começou a examinar o quarto, deitando olhares circundantes até se deparar com a Pantera.

- Ah-exaclama ela. - Que quarto tão bonito! Até tem ali um macaco a comer um iogurte!

Eu olhei para ela. Depois para a Pantera cor de rosa ( cor de rosíssima) e o sugestivo Gelado. Voltei a olhar para ela. A minha tia-avó continuava com o olhar mais enlevado do mundo, a contemplar o suposto símio.

Até hoje não percebo.