domingo, setembro 04, 2005

Obrigada Sr. Agente

Perguntar-me-ão vocês:

- Mas ser advogada estagiária tem, efectivamente, alguma coisa de bom?

Respondo eu: sim, já descobri que sim. Ou então é por ser rapariga.

Aqui há uns dias fui a uma festa. O pessoal bebeu uns copos, menos eu, evidentemente, pois considero o cheiro e sabor alcóolicos profundamento nauseabundos.

Conclusão, tive que ser eu a conduzir a Chrysler.
Ohhhh que pena, dirão vocês. Sim, efectivamente é pena, pois às 3h30 da manhã fui mandada parar na minha 1ª operação Stop.

Claro que na minha 1ª paragem oficial eu não tinha QUAISQUER documentos, quanto mais carta de condução. O sr. agente fez um ar muito pesaroso e obrigou-me a ir com ele soprar no balão.

Estava tudo bem, evidentemente, à parte do pormenor de eu não conseguir provar a minha existência e consequente encarte.

Mas isso foi problema que prontamente se resolveu, quando eu, a espumar, mas sempre bem educada e com o gloss nos lábios, toquei no assunto do montante da coima e iniciei o meu praguejar habitual contra o Estado.

Fiz então (com grande capacidade teatral, auto-elogio-me já!) o choradinho de advogada-estagiária-que- recebe-nomeações-oficiosas- de- tudo- quanto- é-gajo- bêbedo-e-reincidente-em-crimes-estradais
e, em tom de confidência, com grande familiariedade:
"sim, sr. agente, porque vocês apanham esses deliquentes, e os estagiários é que têm que defender esses mentecaptos assassinos em tribunal, que quase sempre saiem em liberdade, e somos nós pagos pelos Cofres da Justiça? Não!!! E se o somos é tarde e a más horas!!! Este país é uma vergonha!! A culpa é do cavaquismo, e o Sá Carneiro também teve a sua dose! Ai, mas se eu mandasse nisto, outro galo cantaria!"



Resultou. Fui-me embora com o consolo de uma simples advertência, e um sorriso derretido a desejar-me um resto de boa viagem.

Foi por ser advogada estagiária? Foi ser gaja? Foi por me ter alongado demasiado nos meus desabafos?

Prefiro pensar que foi por causa da 1ª razão. Foi a única que até hoje não me deu nenhuma alegria.

Sem comentários: