terça-feira, julho 19, 2005

Gordos são os Trapos (cuecas-tigresa)

Na minha família só há pessoas de peso. E, concomitantemente, são os maiores negadores de que há memória, mas com uma negação profunda, sintomática e, em última análise, triste. Todos, menos eu.
Senão, vejamos:

o meu pai, com 95 kg, quando confrontado com o seu peso defende-se dizendo que é diabético. Esquece-se que, por o ser, já emagreceu uns quilitos pois cortou violentamente nos doces e em tudo o que seja calórico. Nós lembramo-lo de que até perdeu 20 kg desde que anda a ser medicado, ele repete "eu sou diabético" e vai a praguejar cozinha fora, pontapeando o cão.

A minha mãe tem a desculpa clássica. Do cimo do seu 1.55 e 60 kg, de dedo em riste e os olhos a faiscarem relembra a quem a quiser ouvir que "já tive dois filhos, e meu Deus, se me custou a tê-los, até para nascerem foram preguiçosos" acrescentando ainda, como se isso interessasse ao tema em apreço "não lavam um chão, não passam uma roupa, não dobram umas cuecas, só querem é andar na vadiagem" ou o clássico " com a idade deles já estava casada, com 2 filhos e um esquilo de meia-idade, era uma miséria não haviam fraldas descartáveis tinhamos que usar sacos de plástico amarrados ao rabo" - ( isto inventei agora, mas não me parece improvável que tenha acontecido). Tudo isto para justificar os seus quilinhos.
O que é que eu e o meu irmão temos a ver com isso? Não ficámos lá permanentemente a assombrar o útero dela pois não? E mesmo que eu o tivesse feito, só pesava 2 kgs e 100 quando nasci, era pouco mais pesada que uma bolota, como é que ela justifica os restante 20?

A negação do meu irmão, ao invés, assusta-me. Com os 90 kgs, bamboleia-se sedutoramente em cuecas padrão-tigresas (ok, minto, não são tigresa, mas a visão é tão horripilante que vai dar quase ao mesmo) e, de peito inchado, e à boca podre diz que não é gordo, tem é músculo e que há gente muito mais gorda que ele. Ainda hoje de manhã me disse isso. Claro que tive que retorquir "Sim, há obesos mórbidos que fazem operações de banda gástricas em macas especificamente utilizadas em baleias" (vi eu na TV Cabo). "Não te equiparo a eles, mas bolas, ao menos admite que tens excesso de peso, já nem peço que utilizes a palavra "gordo" ".
Ele admite? Não, usa da sua força supostamente muscular mas que basicamente são 90 kgs de gordura saturada e arremessa-me com objectos cortantes. O que me salva é que não tem agilidade e enquanto ainda se ouvem os elásticos das cuecas a estalar e ele paquidermicamente se tenta equilibrar, já estou eu trancada na sala a abrir as portadas e pronta para fugir para a via pública. Felizmente ele a meio do corredor desiste e, a arfar, volta a sentar-se frente ao portátil.

Quanto a mim...HÁ BOAS RAZÕES PARA PESAR UM POUCOCHICHO!!! E são razões válidas, plausíveis, atendíveis e comoventes.

O meu rabo pesa CHUMBO. O chumbo, enquanto elemento metálico com elevado peso molecular, pesa. É o preço a pagar por um rabito mais composto. Se aceito? I DO.
As maminhas, por seu lado, também pesam e têm uma explicação muito lógica:
Se o peso de um corpo (neste caso glândulas mamárias) pode ser definido como sendo a força gravitacional resultante exercida sobre ele por todos os outros corpos do Universo... (mentira? não!)

só posso concluir que o peso delas resulta da pressão dos corpos de quem me submeto diariamente, na linha Azul Amadora Oeste- Baixa Chiado, corpos esses pertencentes a predadores sexuais que vão propositadamente para o metro para se roçarem em pessoas normais como eu e que, ainda para mais, vejo a minha força gravitacional aumentada pelo que peso mais 3 ou 4 kgs devidos a essas pressões de feramona deprimentes.
Confusos? Eu também. Mas não se discute com o Tio Newton certo?

Conclusão: Quando eu for viver para Mangualde, emagreço. Enquanto viver na metrópole sujeito-me (eu e toda a população feminina com 2 pernas, sim, porque os braços são despiciendos) às condicionantes do Outro.

Quanto ao resto do agregado familiar..tss tss.. não se mancam mesmo ;)

2 comentários:

Anónimo disse...

Keep up the good work »

Anónimo disse...

devias ter vergonha,ó animal,