quinta-feira, maio 14, 2015

Eu quero é que o Bacalhau Assado no Forno VÁ PARA O RAIO QUE O PARTA!

Caríssimos,

E depois do curso da Vaqueiro sou uma pessoa nova?... NÃO.

No 1.º dia, na apresentação, 8 pessoas responderam qual a motivação que as trazia ali. Basicamente todos queriam "saber mais". E eu pensei, mas saber mais DO QUÊ Mãe do Céu?!!! Se já sabem algo, porquê vir ao ABC da Cozinha?! Para enxovalhar os ignorantes?

Depois cheguei a uma constatação chocante. Todas as pessoas dão uns toques na cozinha, sabem qualquer coisa. Juro que até estava lá uma filipina que não percebia uma palavrinha de português mas que, por intuição (c... para a intuição), manuseava ali a hortaliça e coco ralado como se o tivesse feito a vida toda lá em Manila.

FILILPINA pá!! O raio da mulher nunca tinha visto uma broa de milho na vida mas deu-me 100 a zero na confecção do prato!

Sim, gostei imenso, passei relativas vergonhas:"passe-me o alho francês, não Susana,não,isso é pepino" e eu já com os olhos tortos, e  a realidade é dura e crua: destreza culinária não se compra. 

Eu ainda tentei reproduzir em casa uma mousse de Oreo maravilhosa que aprendi, mas o meu pai teve que salvar a situação fazendo da minha pobre mousse bolinhas de brigadeiro (e com uma colher de gelado,  muito a custo).

E EU COPIEI A RECEITA IPSIS VERBIS!!Se eu não achasse que Deus tem mais que fazer neste universo observável + espaço intergaláctico, ia jurar que era Ele a gozar comigo.

 Com aquela pasta de chocolate, mais 5 taças da  mousse e eu impermeabilizava um telhado.

Queira Deus que eu me torne uma advogada de renome. Tenho a honra feminina no chão.

.

quinta-feira, abril 02, 2015

Sem título. Ocorrem-me coisas tão idiotas de escrever, que é melhor prescindir.

Como já disse a alguns, fiquei doente.

A parte boa de estar doente é que recebemos muitos mimos, e ninguém se preocupa se sabemos cozinhar esturgidos ou passar a ferro calças com pinças.

A parte má é estar doente.

A parte deprimente é ouvirmos que o nosso corpo, de certa forma, engravidou. Tem células e mais células que se multiplicam noutros milhares de células. Mas em vez de termos um bebé, temos um problema. E provavelmente já não vamos ter mais bebés.

A parte espectacular é que:

1- temos a tal parte boa dos mimos;
2- temos o susto que nos obriga a reagir e a ver como é bela a vida, como temos de a desfrutar a 100% e de amar os passarinhos, as lagartas dos pinheiros, os coxos, leprosos etc;
3- sabemos agora que os problemas que achávamos que tinhamos, na realidade, não eram problemas;

4 - E, o melhor de tudo, ter a notícia que, dentro das doenças, temos a melhor das piores.

Basicamente, ter esta doença rançosa, mas completamente curável, é o equivalente ao que eu acho de ser Portuguesa. A realidade é que eu tenho a sorte espantosa de ser nacional de um País que faz parte do 1% da população mundial que é absolutamente privilegiada.

 No meu país, tenho água potável, carrego num interruptor e tenho luz, se não há dinheiro para a luz vou à Caritas ou às Vicentinas, se não tenho comida vou à cantina social existente em qualquer câmara municipal ou ao Banco Alimentar ou vou ao Goucha (que eu adoro, uma vez convidou-me para ir ao programa dele no Dia Mundial da Salsicha. Medo, medo, medo). Se estou doente vou ao Sistema Nacional de Saúde, pago uma taxa moderadora e tratam de mim.

A realidade é que Portugal é um país privilegiado. O mais desagradável é que dentro dos privilegiados, está mesmo no Cu deles todos. E então? Não troco a Nova-Zelândia pelo sol de fim de tarde em Alcochete. (Por acaso até trocava). (Mas é tão longe). (E os meus pais, e avós?) (Tentador, mas não tenho coragem).

Problemas? Hum... o meu problema era ser uma mãe de família que tentou fazer puré de batata com batatas cruas. Comprei um curso de Cozinha. Soube da doença. Pedi imediatamente a devolução do dinheiro à Unilever. Com tanto mimo de familiares, quem quer saber de fogões??! Devolveram-mo. Vou estourá-lo num fim de semana. Viram? Era um falso problema.

Desfrutem de tudo. Se tiverem dinheiro vão à Piscina Dinâmica do Estoril Palace. Se não tiverem, chapinhem no Samouco, tem verdete mas um sol resplandecente.

Desfrutem. (Espero que o verbo desfrutar seja com "e", não me apetece ir confirmar ao Google (tenho a net lenta). Se for com "i", duvido, mas à cautela, não me trucidem e mimem-me.)

Desfrutem e mimem-me. Que combinação bonita.



terça-feira, fevereiro 24, 2015

O diálogo da Vaca (eu) e do Vaqueiro (Jerónimo Martins)

Caros,

E no seguimento da maravilhosa história do bloqueio na cozinha e lombos de novilho panados:

O curso ABC da Cozinha da Vaqueiro (para homens semi-decrépitos suponho, mas mal ou bem estou lá incluida), iniciou-se no pretérito sábado, às 11h00 em Lisboa.

Lá me levanto cedinho, com ar de quem vai para o cadafalso e triste como à noite e faço-me ao caminho.

Na viagem penso em mil perguntas para fazer. Penso nas perguntas, depois penso no que estou a fazer, penso no porquê de não saber estrelar um ovo mas saber de cor e salteado todas as matrículas de carros da escola de condução onde eu tirei a carta, no ano de 1998 (OPÁ QUE HORROR!!! HÁ 17 ANOS ATRÁS, NÃO É POSSÍVEL!! 17 (DEZASSETE) ANOS! )

Penso no dinheiro gasto, penso que com €250 tinha remodelado a marquise, mas não, lá vou eu para um curso que inclui as letras "A,B, C " que vergonha feia, rude mesmo.

Cheguei 10 minutos atrasada porque o GPS insistiu que não era cientificamente possível entrar naquela rua através de veículo motorizado, e eu, já suficientemente stressada, a tentar comprar a compreensão do GPS implorando-lhe uma solução,  decidi estacionar o estúpido do carro e fui a pé, chegando num minuto e meio à porta da UNILEVER.

E agora.. que emoção. Isto escrito tem menos piada do que dito em voz alta, mas aqui vai:

A porta do edifício estava fechada, tinha umas portas de vidro mas não estava ninguém na portaria, não se via vivalma naquela rua e não existia uma merda duma campainha para eu tocar, apenas um dispositivo para passar um cartão, que dizia "para uso exclusivo de funcionários", e eu em desespero de causa a tactear o dispositivo, a seduzi-lo, a ganir de dor emocional porque eu PRECISAVA DE ENTRAR PELA MERDA DA PORTA E NADA!!! Depois de 5 angustiantes minutos, durante os quais pensei:

"É oficial, não só tenho um bloqueio na cozinha como tenho um bloqueio para chegar à cozinha". 

Unilever de um raio, tanta modernice nas portas, hão-de ter muitos amigos assim, sem sombra de dúvida,

desisto e vou fazer compras ao c.c. Amoreiras. Depois, liga-me o marido, o tal do "quésta merda de comida":

ele- então cozinheira??? que tal? que aprendeste a fazer?
e eu - shshgrb, uff
ele - hein?
eu - glup, smurf, poing..depois falamos, quando chegar a casa
 - não pá, conta lá, gostaste ou não?

eu, numa calma gelada, num misto de vergonha com resignação: Não fui, cheguei atrasada e não havia  campainha.

ele: ok. E desligou o telemóvel.

Pensei, como tantas vezes tenho pensado nestes últimos anos: Quero a minha mãe... Quero tanto.

Senti-me uma prostituta culinária, que em vez de assumir orgulhosamente a sua paupérrima formação moral , dá afinal o cu e 8 tostões para saber fazer um bife.

Mas enfim.. continuo com o rabinho à disposição, próximo sábado já lá estou, com um módulo perdido e honra manchada (a pouca que me restava).

Quem me dera nunca ter tido a peregrina ideia de naquela terça-feira armar-me em estrela e querer cozinhar. Devia ter feito o que sempre fiz, sentar-me no sofá, ver o Dr. Phil e esperar que a vontade passasse.

Fica esta lição de vida. Espero que seja proveitosa para mim e para todas as lerdas de kitchnettte do meu país.

sexta-feira, janeiro 30, 2015

Secret Story 5: Vacas e Bois

Caros confrades,

3ª feira resolvo fazer a melhor surpresa de todos os tempos para o marido. O jantar.

Reflicto com as mãos pousadas na testa, leio livros, vou ao Google, volto a reler a receita, fico a suar em bica mas abro o congelador e aventuro-me.

Quando ele chega, - “Quésta merda??!”

E eu: “São lombos de novilho panados”.

Ele: “F…., isso é o maior desperdício que pode haver!! Sabes que o bife do lombo é a melhor parte? E vais panar?? F…, foi caríssimo no LIDL!

Respondo ainda meio aturdida: “Mas não são bifes, são lombos”.

Ele explica: “São bifes do lombo pá!! Que grande desperdício!

Nesse momento fico um pouco confusa, mas a ferver, e pronta para lhe dar um murro respondo: “Não, não sabia que isso dos bifes e lombos eram a melhor parte, e mesmo que soubesse?E então? Sabia lá que um lombo do bife ou que é era demasiado chique para ser panado!! Que paneleirices de merda. Cozer, assar, panar, quero lá saber, queria era fazer-te o jantar!”.

Ele: “A sério que não sabes que o bife do lombo é a melhor parte? Nunca viste o desenho do boi, lá no talho, com as partes todas identificadas”?

Eu fula da vida, mas chocada por me aperceber que um novilho era um boi e não uma vaca: “E não achas que eu tenho mais que fazer que olhar para um boi e decorar as partes, e mesmo assim, se as decorasse continuaria sem saber qual é a melhor porque ali o boi não tem pontuações!!!

E ele: “Pelo amor de Deus, toda a gente sabe que a parte do lombo é a melhor!”

Guess what Pedro: EU NÃO SABIA.

Choro copiosamente cheia de raiva do boi que eu achava que era vaca, e dele, e dos meus pais que não me obrigaram a cozinhar. Engraçado, sempre me ofereceram lambadas por tudo e por nada, cozinhar está quieta.

A retaliação? Gritos, greves de sexo ou chapadas no pescoço? Não. Inscrevi-me no curso ABC da Cozinha da Vaqueiro. E é o marido que vai largar €250 biscas para eu aprender a fazer o arroz.


Toma lá que já jantaste!!!




terça-feira, novembro 04, 2014

O meu casamento em 15 linhas, tirando o cabeçalho.

POR QUE É QUE ME ESQUECI DE ENCOLHER A BARRIGA EM TODAS AS FOTOS??!! QUE ESTÚPIDA!!!!! UMA VIDA INTEIRA A SONHAR COM ESTE DIA!! ERA SÓ ENCOLHER A BARRIGA, MEU DEUS QUE GRANDE ESTÚPIDA!!!!!



Susana gorducha consegue convencer o pai do filho a casar (como, só em mensagem privada)

Ele resigna-se e diz que sim, assoando-se à manga da camisa.

Susana toda contente começa a fazer ginásio e dieta, atentando no fotógrafo já contratado para o dia 4 de outubro.

Ele vê os resultados, alegra-se, e anda atrás dela guloso.

Ela quase que desmaia de exaustão, no meio de dietas, ginásio e fugas do noivo, tipo filme do Benny Hill.

Eles finalmente casam-se.

Ela engorda imediatamente 3 kgs.

Ele vê a vida dele andar para trás.

Tem a triste ideia de dizer "o teu corpo já acusa falta de ginásio".

Ela, histérica, telefona para a colega de escritório Tininha para ver se ainda há hipótese, a nível canónico, de anular o casamento contraído com o marido mais idiota de todos os tempos.

Tininha acalma a colega, enquanto esta chora e consola-se com uma fatia de bolo de after-eight.

Ele pede desculpa. No seu ar de gestor empedernido, mas pede.

Ela pensa em arrancar-lhe os últimos cabelos plantados na cabeça.  Depois de aturada reflexão não avança.

Ela, vingativa, opta por perder 2 kgs.

Fica bastante mais contente, desconfia que ele também deve estar mas a realidade é que desta vez o homem não se manifesta, temendo certamente pela sua escassa pelúcia, sabendo que é preso por ter cão e preso por não ter. ("ai agora estou mais magra??! e antes estava o quê ó palhaço")

Basicamente foi isto, adoram ou não uma boa história de amor?


quinta-feira, setembro 18, 2014

A minha despedida de solteira (incluirá strip?)

Já tive a minha despedida de solteira. Pedi expressamente para não levarem as pilas e as bandoletes de pénis. E foi como sempre sonhei (sim, eu sonho com tudo, eu sonho inclusive com uma ovação de pé nas Varas Criminais após alegações comoventes e consequente abolvição de um inocente qualquer) .

Tive a companhia das minhas amigas e primas, que me proporcionaram a esplêndida experiência de andar num tuk tuk (mata-velhos para novos, em pleno centro de Lisboa), agarrada aos suspensórios do condutor (Diogo, és grande), qual rédeas do melhor cabedal, enquanto ele relinchava(juro!!) e eu gritava histérica "Anda Estrela, Anda!) pelo Bairro Alto fora, enquanto turistas tiravam fotos.

Após um jantar repleto de jogos, nomeadamente o das perguntas ao noivo: "qual o prato que tu cozinhas que o Pedro mais gosta?"  e eu fico absolutamente siderada por ele afinal até gostar de alguma coisa que saia das minhas mão, arrisco: - "Ovos mexidos?". (Na realidade mal sei fritar um ovo, quanto mais mexê-lo). - "Não..., ele escreveu"endívias grelhadas com carpacio de vitela e azeite de nozes!". (ai gosto tanto dele, tem ideias tão engraçadas!).

Enfim, quase no fim do jantar, e por um incrível mero acaso, surge um convite de um cliente meu mânfio, que está preso, e ao saber que estou na despedida de solteira,  convida-nos a visitar um conhecido clube lisboeta de striptease de mulheres, gerido pelo seu irmão também mafioso. ( Não se preocupem, eles não leêm blogues. A sério que não leêm.).

Eu nem hesitei 2 vezes. Tristemente as miúdas partiraram em debandada para casa, a maior parte horrorizadas com o convite. Claro que eu e uma amiga fomos depois para Lisboa, e batemos à porta do clube super emocionadas.

Resumo breve:

- varões com mulheres nuas, cada uma mais bem feita que a outra, tirei montes de notas mentais
- vaginas pelo ar, mamas num virote (mas mesmo todas nuas, com piercings na vagina, e rabos primorosamente depilados)
- Várias despedidas de solteiros, de homens aparentemente normais, de camisa e sapatinhos. (vadios)

(ATENÇÃO GAJAS: Sempre que ele vos disser que FOI SÓ COM OS AMIGOS A UMA DESPEDIDA DE SOLTEIRO sem lap dance ou com lap não interessa, QUASE TODOS levaram com uma (duas, três, quatro sei lá) vagina e um ânus esfregados naquelas caras sebentas de depravados, bem, e o noivo que eu lá consegui descortinar no meio daquele ajuntamento de primatas, (ai Jesus, o que eu vi, pobre noiva, realmente a ignorância é uma benção. Se aquele fossse o meu noivo partia-lhe, no mínimo, com duas garrafa na cabeça e não havia copo-de-água para ninguém).

Mas caras leitoras, de confiam plenamente nos vossos maridos, e eles são absolutamente decentes e sem uma pontinha de lascívia, concedo que tenham saído imediatamente do clube e tenham esperado pelos amigos cá fora. Mas, pelo menos, naquele clube, não vi ninguém de braço cruzado na rua, mas sim todos encavalitados uns por cima dos outros em cima dos sofá, para verem melhor um buraquinho do rabo da stripper e, com algum esforço (nem muito!), levar com uma nalgada ou um pipi muito bem arranjado na cara.

- Éramos as únicas mulheres, e por causa disso acho que fizemos tanto ou mais sucesso do que as outras nuas, uma vez que nos tomaram por um sensual casal de lesbianas e começaram a salivar.

Eu tentei não me rir nem olhar muito, optei por trincar sedutoramente a palhinha da minha coca-cola e flirtar com uma rapariga virada do avesso num varão, pernas no ar e a deslizar pau abaixo, que eu até fechei os olhos, pensei mesmo que ela ia partir logo ali o pescoço. Não partiu, dirigiu-se directamente à nossa humilde mesa e acabei por levar com as mamas dela na minha cabeça e o rabo nos meus ombros.

E depois, a apoteose!! (hihihi, vou-me rir disto para todo o sempre): Ela, com o seu ar sedutor (um bocado simplório para meu gosto),  desafia-me e diz: "Fui uma menina má...". E eu, que acho que sou sempre muito esperta e apanho as indirectas todas no ar, cheguei a mão atrás, ganhei balanço e espetei-lhe com um palmadão no rabo que até se ouviu na cabine do duche!!

Nano-segundos depois, lembrei-me que não lhe podiamos tocar. Houve um pequeno momento de pânico. Preparámo-nos imediatamente para sermos expulsa daquele nobre estabelecimento e eventualmente levar uma sova da brasileira.

Mas nada aconteceu,  a srª stripper após um esgar de surpresa, até sorriu e virou as suas atenções para a minha parceira de lesbianismo esfregando-lhe os peitos de lona no nariz . Ri-me muito porque a minha amiga é do INEM e já viu muita coisa, mas naquele momento estava completamente branca, e depois de levar com as peitaças ainda a outra lhe meteu a mão na camisola e ela começa a escorregar pela cadeira abaixo em aflitivo estado.

Enfim, adorei...

À saída, a minha amiga parou-me, olhou-me nos olhos e disse: "Ganhei todo um novo respeito por ti.  Excelente actriz".

Eu respondi "Eu sei. E nunca, mas nunca na nossa vida, podemos deixar os nossos gajos ir a um clube de strip".

Na realidade o Pedro, na sua despedida de solteiro vai ver o Benfica-Moreirense.

hehehehe que grande toino!

segunda-feira, agosto 25, 2014

Holmes...amo-te. Watson (só para despistar)

Não é para me gabar - sim, claro que é, vou-me gabar como se não houvesse amanhã -  mas eu estou um ESPECTÁCULO!

5 palavras e uma expressão idiomática : Desespero, Holmes, Place, Personal, Trainer, e “perdi  o amor ao dinheiro” ( mas vale cada cêntimo).

Cômputo global:  Susana curvilínea, tonificada e deliciada consigo própria.

Hoje a Kelly Baron ou lá como se chama a brasileira do Pedro Guedes, remou mesmo ao meu lado. Confesso que ela é muito querida, sorridente e sexy.

Mas a realidade é que estive ao lado da Baron e não me senti um porco-montês!! Quer dizer, óbvio  que me senti mal, mas um desagrado  bastante relativo.

Cheguei  inclusive a corrigir a postura lombar ao nível máximo de esforço, toda estrelicada, assegurando-me que ela  tinha uma visão segura das minhas mamas, absolutamente arrebatadoras, acondicionadas num excelente soutien da Triumph.

Pois é, anuncio em primeira mão (para quem queira saber) (vá lá, todos?! Quase todos?), que as minhas mamas (gigantescas, assustaram o pediatra),estão METADE do tamanho e, apesar de ainda roçarem a linha abaixo do umbigo  - muitos smiles tristes :( :( ;( , com soutien juro que pareço a Miss Porca 2014.

Moral da história: … insegura, idiota, flageladora de gordinhas, chamem-me o que quiserem.

Mas neste momento…, bem enquanto escrevo, elevo as minhas esbeltas pernas em direcção ao candeeiro do tecto, e contemplo-as  a contra-luz,. …juro que até a pelúcia das coxas me parece harmoniosa….

Acho que libertei endorfinas em excesso. Espero não vir a ter problemas.