quarta-feira, fevereiro 17, 2016

Memórias e Sociopatia. E Amor.

Hoje o Francisco faz 3 anos. E agora compreendo aqueles comentários absurdos dos adultos, quando olhavam para nós, crianças, e diziam "ai é assim que vemos como o tempo passsa!". Pois é. Eu diria mais, diria que o mundo está perdido, que o universo faz pouco sentido, que os buracos negros existem e isto é tudo muito confuso. E para culminar, há uns tempos dei uma ordem ao Francisco e ele respondeu-me "vou pensar no teu caso". A sério que percebo melhor a termo-dinâmica gravitacional, que o meu filho, que nasceu praticamente ontem, responder-me como se fosse gente.


Mas este post não é sobre ele. Não, para variar, é sobre mim.


Há 3 anos atrás, eu estava o maior farrapo físico possível de que há memória. Disforme, com uma  cesariana que correu bem, mas uma epidural que correu mal e me fez ficar pouco melhor que um protozoário. Se me tivessem pedido para levantar um braço  e tossir, ou girar a cabeça e deitar a língua de fora, eu pediria clemência ou a injecção letal.

Estava tão inchada que, para coçar o nariz, tive que pedir ajuda a uma auxiliar. Quando tentava coçar a ponta do nariz com o dedo, toda a minha mão abarcava a cara e revolvia-me o cabelo até à nuca.

 Era oficial, eu tinha a mão de um orangotango macho, e realmente eu não faço ideia como é que os grandes primatas coçam partes pequenas.....enfim, coisas simples, que damos por garantidas. Agora quando tenho comichão no nariz, saboreio cada coçadela delicada com o dedo indicador, suave e elegantemente, tentando esquecer o barril humano que fui.

E é por falar nesse momento de decrepitude física, que hoje quero contar outra história.

Começa assim:

O meu marido para mim, com ar sério (o que indica sempre duas coisas, ou está mesmo a falar a sério, ou está a gozar o prato) (o que para mim constitui sempre uma charada divertidíssima) :

Ele: "Tu realmente, no espaço de poucas horas, consegues dizer as coisas mais diversificadas  e acreditar piamente nelas."
Eu: "Como assim?"
Ele: "Ontem, quando te vias ao espelho de manhã, em cuecas, olhaste para o rabo e disseste "ui, que categoria!"

"Depois, ao fim da tarde, quando foste correr uns metros e chegaste a casa, voltaste a examinar o rabo ao espelho e disseste "ó Meu Deus,  estou a a ficar sem rabo, estou a perder peso e a ficar sem rabo, não pode ser!!" "

E depois, pediste-me para te tirar uma foto de frente e de trás para mandar para as amigas da corrida, e só te ouvi gritar: "Ó MEU DEUS, Ó MEU DEUS, QUE LOUCURA, QUE CU GIGANTE É ESTE? TENHO UM CU DE OBESA MÓRBIDA, MAS O QUE É QUE ISTO?!!!"

Fiquei caladita, porque me recordava do dia anterior e do que tinha dito, mas não tinha a noção que as coisas cronologicamente enunciadas daquela maneira, soava a psicopatia de grau moderado.

"Tu adoras esta roleta-russa de emoções não adoras?"-  perguntei eu, com um ar esperançado.
Ele continuou a dissecar o seu salmão. Não disse nada.

"Nunca saber o que se espera, nada é rotina! É espectacular, não é?! Uma rapariga honesta, do qual tudo se pode esperar, que sorte!" - continuei ansiosa, sentindo claramente a libertação de hormonas no sangue pelas glândulas supra-renais.

Ele (sério, super sexy): "Sim, gosto. E é por isso que vamos ficar juntos até ao resto da vida." E sorriu.

Que delícia, gostarem de nós pelo que somos, sem termos o stress de tentar esconder defeitos e disfarçar as pulsões sádicas. Leitores, sejam sempre vocês mesmos, mas se forem raparigas, usem sempre cinta  no 1.º encontro.





terça-feira, dezembro 29, 2015

A Guerra dos Tronos (versão humanizada)

Parece que tenho um problema, não obstante eu não ver isso como necessariamente mau.

Ao que consta, eu acho quase todas as pessoas do mundo parecidas comigo, especialmente as aparentemente menos afortunadas.

Vejo um prognata, pergunto se o queixo não é parecido.
Vejo um amblíope, pergunto se o olhar meio esgazeado não tem semelhanças.
Vejo uma rechonchuda de 215 Kgs,  pergunto se as minhas coxas são mais magras.


O Pedro lá vai respondendo, penso que na maior parte das vezes nem se dá ao trabalho de olhar.Até ontem. 

Estávamos a ver a Guerra dos Tronos. Perguntei-lhe a dada altura: “Não achas que esta pessoa dá ares de mim? Qualquer coisa na boca, ou nos dentes, não sei?..”

Pedro (Olhando para as duas babes, a rainha do cabelo prateado e a mulatinha que é a criada dela): Hein? Qual delas?

Eu: Aquele preto, o  pirata. Tem ali qualquer coisa, parece-me na boca, não sei, acho que tem um sorriso franco.

Pedro (olhando para o bisonte que é o chefe dos piratas , um costa-marfinense de 2 toneladas): Pá.. sinceramente… nem sei que te diga. Olha, sim, és.


Sorri, tranquilizada. Com este sorriso franco que me caracteriza.


A triste ideia do costume.


Este Natal tive a brava ideia de cozinhar qualquer coisa para o jantar. Naturalmente não seria nada de típico, apenas algo comestível.

Pai: Mas o quê?
Eu: Então, na Bimby, fazia um bacalhau com natas muito bom.
Pai: Mas porquê na Bimby? Não estou a ver grande vantagem…
Eu: Então, na Bimby é muito mais fácil e rápido.
Pai: Mas porquê?O que é que cozinhavas?
Eu: Então.. eu cozinhava hum… aquilo que o bacalhau com natas leva. Que é… aquilo que compõe o bacalhau com natas…(cérebro a patinar no vazio e no abstracto) - (pensa Susana, pensa, ignora os comentários sórdidos, as risadas sub-reptícias, as..)
Pedro: ahahahhahahh!!!



Conversa terminada. Já não faço nada para ninguém. 



E muitas mais.

Eu e o Pedro competimos em muitas coisas. Acho que ele nem sabe. Reformulo, eu compito sozinha com ele  em muitas coisas. Perco em quase todas, mas batalho na mesma.  

Eu: Eu quando era miúda fiquei com um rim quase defeituoso, estava muito doente.
Ele: Quando era miúdo, tive uma meningite. Fiquei em coma 13 dias.

Eu: Aqui há uns anos, lá em Ferreira do Zêzere, eu e os meus primos vimos alguma coisa muito parecida com um  Ovni.
Ele: Quando era miúdo,  tinha uma guia espiritual chamada Bárbara. Era encantadora. Já encarnou.

Eu: Ganhei um prémio no antigo canal People & Arts. Escrevi a melhor frase.
Ele: Ganhei um prémio na bomba de gasolina da Lançada. Não fiz nada, limitei-me a entrar e a ser o 1.º cliente, até tive majoretes a saltar e fogo de artifício.

 Eu: Tenho alguns pressentimentos. Na véspera do 11 de Setembro, tive um pressentimento de que algo de mau se ia passar (inventei um pouco)
Ele: Eu só soube do 11 de Setembro no dia 1 de Janeiro. Estava no Big Brother, não nos avisaram.


Desisto. Não dá.

segunda-feira, setembro 21, 2015

Miss Piggy (e não sou eu)

Recentemente, tive que gramar com os meus enteados a recitarem de cor frases do filme “Balas e Bolinhos 3” (para quem não conhece, é um filme português carregado de asneiras do início ao fim, relatando as peripécias do Toni, do Rato, do Culatra entre outros encantos).

O meu enteado mais novo, de 10 aninhos, um querubim loiro de olho azul, um menino meigo que nem um corcel, gentil e amável estava divertidíssimo a contar-me as piadas do filme, e a certa altura conta:

ah, e depois o Toni pediu ao Culatra um fígado no mercado negro  para fazer um transplante para o pai que estava doente!”

Fiquei simplesmente a olhar para ele.

Depois o Culatra disse que tinha uma vesícula, uma tíbia e um intestino grosso mas não tinha nenhum fígado!”

Revirei os olhos e olhei para o Pedro.

“E depois o Culatra disse : ah, espera,  é verdade, tenho ali um fígado de porco em óptimo estado, ainda o mês passado vendi um. E funciona que é uma maravilha, o único problema é que a mulher todas as noites lhe tem que dar bolotas para o jantar”.

O puto riu-se muito sozinho da história que contavaSuspirei.

E depois o Toni disse: olha lá tem cuidado com o fígado de porco, que eu não quero que o meu pai ande aí a  esgalhar o pessegueiro à  pala da Miss Piggy!”

Fiquei transida de terror.


“Olha lá ó Susana, o que é que é…


Colapsei  emocionalmente.  Só pensava  “preciso de um buraco para me enfiar, socorrro, Ó Meu Deus, ó Meu Deus ajuda-me, salva-me, o filho NÃO É MEU, piedade!”

Olha lá Susana, o que é que é…” – repetiu ele, se calhar pensando que eu não o estava a ouvir

E eu “TIRA-ME DAQUI MÃEEEEEEEEEZINHAAAA!!!!!”



“O que é que é a Miss Piggy?”


sábado, setembro 19, 2015

Serviço Público, não precisam de agradecer.

Hoje a minha querida prima teve um bebé. Quando fui visitá-la à maternidade,  assomei a minha cabecita na porta do quarto e mandei-lhe um tchau. Ela virou-se o pescoço para mim, numa posição esquisitíssima tipo exorcista, e penso ter ouvido "Porca e P.." entre outras, mas não tenho a certeza. 

Desculpei-me: "Ouve lá, querias mesmo que te dissesse a verdade?que querias que fizesse??" 

Não se conta a pré-mamãs o que se passa durante o trabalho de parto :( Não se conta.

Mas eu vou contar porque todos os meus amigos sabem que sou boca podre e que não me podem contar segredos, (nem os meus eu guardo quanto mais). Continuando, isto do parto tem que ser segredo entre as mulheres senão a espécie humana extingue-se. Descobri, com 32 anos, (tenho reparado que as descobertas que fiz nos últimos anos são tão vergonhosas que nem sei como é que alguém no seu perfeito juízo casou comigo), que quando se fala de dilatação de  2 dedos, 6 dedos, 10 dedos, não se está a falar numa vagina a abrir-se... Ela realmente está a abrir-se, mas a dor da dilatação e dos dedos é doutra coisa.

Quando se fala de dilatação e aberturas de 10 dedos, estão a referir-se  a uns mega ossos ou lá o que é aquilo dentro do útero, uma espécie de manípulos do pinball (epá, que linda metáfora que inventei agora), que se abrem para  o bebé nascer. Porque se os ossos estivessem já abertos o bebé escorregava e caía no chão (e aleijava-se).

Atenção, não me interpretem mal, a vagina realmente continua lá aberta, e do mais aberta que possam imaginar. Aliás,  está inacreditavelmente escaqueirada, parece impossível voltar a recompor-se e a ser uma Sra. Vagina, dizem que sim (o meu colega de sala diz que não. Olá Sandra, tudo bem?)  Mas essa é a parte que se aguenta perfeitamente, mesmo quando rasga até ao rabo.

Agora tenham paciência, os ossos a abrirem na barriga é que e uma coisa que eu ainda estou para descobrir como é que as mulheres voltam a ser gente depois daquilo.

O engraçado, é que eu nem passei por isso (smile) Não dilatei nadinha, nem 1 milímetro.  Posso ser uma chiba, quadrilheira, admito, mas há que reconhecer que o meu corpo sabe bem o que faz. 

O meu esperto corpo fechou-se em copas (ao contrário da ocorrência 9 meses antes). Mas quais dedinhos de dilatação, qual carapuça!  Os médicos desistiram dos ossos tronchudos e fizeram-me cesariana. Quando me avisaram, comecei a rir-me toda por dentro e das outras mulheres vaginentas dilaceradas, que lá continuam a espernear.

Fui preparada para a cesariana. Mal entrei no bloco, caí em mim, percebi que ia ser operada e vieram-me as lágrimas aos olhos, fiquei com diarreia e acreditei piamente que podia falecer. Comecei a tremer tanto de medo que levei uma lambada da anestesista , com o consentimento da minha sogra enfermeira-parteira, para eu estar quieta e me dar a epidural. Pedi para me amarrarem as mãos porque tive medo de não me conseguir controlar e cometer uma loucura.

Entretanto comecei a rezar um Pai-Nosso mas tive que parar a meio porque já estava me estava a baralhar com a Ladaínha da Nossa Senhora do Rosário. Desisti de pensar e disse simplesmente : "Meu Deus,  em toda a tua misericórdia, ajuda-me, prometo que não me volto a meter numa destas, terei um único filho e vou ser muito feliz".

Depois começaram a remexer-me as entranhas e a puxar a puxar, eu a sentir tudo ou pelo menos assim parecia e eu virei-me outra vez para Deus e disse-Lhe : "Pronto, ok, já percebi,  prometo que nunca mais vou fornicar, nem sequer em pensamento".

Depois saiu o Francisco. Não pude abraçá-lo porque ainda estava com os braços amarrados com as braçadeiras e ninguém mas tirou. (Foi um bocadinho triste, porque só lhe consegui beijar um bocadinho da cabeça e depois do rabo).

Entretanto lembrei-me das promessas feitas. D´OH! Voltei a fazer outra promessa, prometi que retirava todas as promessas anteriores, com efeitos retroactivos - por terem sido feitas num momento insano e em compensação ia a Fátima rezar aos Pastorinhos e pôr uma velinha à Nossa Senhora na Capela das Apariçoes.

Moral da história: para mim, tudo acabou em bem: ele nasceu lindo, a minha vagina continua um espanto, já fui a Fátima (a caminho do estabelecimento prisional de Leiria),e fornico de consciência tranquila.

Agora partos naturais?? Eu estive 27 horas numa maternidade com outras a parirem de partos naturais e Meu Deus, os gritos lancinantes mesmo vindos das entranhas, um som absolutamente intraduzível. CHIÇA!!!!! F....!! ! Ó MEU DEUS QUE CORAGEM, QUE LOUCURA!!!, QUE VAGINAS!! QUE HORROR PURO!!

Foi isto que omiti à minha prima. Descobriu por ela. E fiz muito bem.


Querida Zélia, sabes que este blogue é meramente recreativo ;) espero que tenhas uma hora pequenina no final de Dezembro! 

sexta-feira, janeiro 30, 2015

Secret Story 5: Vacas e Bois

Caros confrades,

3ª feira resolvo fazer a melhor surpresa de todos os tempos para o marido. O jantar.

Reflicto com as mãos pousadas na testa, leio livros, vou ao Google, volto a reler a receita, fico a suar em bica mas abro o congelador e aventuro-me.

Quando ele chega, - “Quésta merda??!”

E eu: “São lombos de novilho panados”.

Ele: “F…., isso é o maior desperdício que pode haver!! Sabes que o bife do lombo é a melhor parte? E vais panar?? F…, foi caríssimo no LIDL!

Respondo ainda meio aturdida: “Mas não são bifes, são lombos”.

Ele explica: “São bifes do lombo pá!! Que grande desperdício!

Nesse momento fico um pouco confusa, mas a ferver, e pronta para lhe dar um murro respondo: “Não, não sabia que isso dos bifes e lombos eram a melhor parte, e mesmo que soubesse?E então? Sabia lá que um lombo do bife ou que é era demasiado chique para ser panado!! Que paneleirices de merda. Cozer, assar, panar, quero lá saber, queria era fazer-te o jantar!”.

Ele: “A sério que não sabes que o bife do lombo é a melhor parte? Nunca viste o desenho do boi, lá no talho, com as partes todas identificadas”?

Eu fula da vida, mas chocada por me aperceber que um novilho era um boi e não uma vaca: “E não achas que eu tenho mais que fazer que olhar para um boi e decorar as partes, e mesmo assim, se as decorasse continuaria sem saber qual é a melhor porque ali o boi não tem pontuações!!!

E ele: “Pelo amor de Deus, toda a gente sabe que a parte do lombo é a melhor!”

Guess what Pedro: EU NÃO SABIA.

Choro copiosamente cheia de raiva do boi que eu achava que era vaca, e dele, e dos meus pais que não me obrigaram a cozinhar. Engraçado, sempre me ofereceram lambadas por tudo e por nada, cozinhar está quieta.

A retaliação? Gritos, greves de sexo ou chapadas no pescoço? Não. Inscrevi-me no curso ABC da Cozinha da Vaqueiro. E é o marido que vai largar €250 biscas para eu aprender a fazer o arroz.


Toma lá que já jantaste!!!




terça-feira, novembro 04, 2014

O meu casamento em 15 linhas, tirando o cabeçalho.

POR QUE É QUE ME ESQUECI DE ENCOLHER A BARRIGA EM TODAS AS FOTOS??!! QUE ESTÚPIDA!!!!! UMA VIDA INTEIRA A SONHAR COM ESTE DIA!! ERA SÓ ENCOLHER A BARRIGA, MEU DEUS QUE GRANDE ESTÚPIDA!!!!!



Susana gorducha consegue convencer o pai do filho a casar (como, só em mensagem privada)

Ele resigna-se e diz que sim, assoando-se à manga da camisa.

Susana toda contente começa a fazer ginásio e dieta, atentando no fotógrafo já contratado para o dia 4 de outubro.

Ele vê os resultados, alegra-se, e anda atrás dela guloso.

Ela quase que desmaia de exaustão, no meio de dietas, ginásio e fugas do noivo, tipo filme do Benny Hill.

Eles finalmente casam-se.

Ela engorda imediatamente 3 kgs.

Ele vê a vida dele andar para trás.

Tem a triste ideia de dizer "o teu corpo já acusa falta de ginásio".

Ela, histérica, telefona para a colega de escritório Tininha para ver se ainda há hipótese, a nível canónico, de anular o casamento contraído com o marido mais idiota de todos os tempos.

Tininha acalma a colega, enquanto esta chora e consola-se com uma fatia de bolo de after-eight.

Ele pede desculpa. No seu ar de gestor empedernido, mas pede.

Ela pensa em arrancar-lhe os últimos cabelos plantados na cabeça.  Depois de aturada reflexão não avança.

Ela, vingativa, opta por perder 2 kgs.

Fica bastante mais contente, desconfia que ele também deve estar mas a realidade é que desta vez o homem não se manifesta, temendo certamente pela sua escassa pelúcia, sabendo que é preso por ter cão e preso por não ter. ("ai agora estou mais magra??! e antes estava o quê ó palhaço")

Basicamente foi isto, adoram ou não uma boa história de amor?


quinta-feira, setembro 18, 2014

A minha despedida de solteira (incluirá strip?)

Já tive a minha despedida de solteira. Pedi expressamente para não levarem as pilas e as bandoletes de pénis. E foi como sempre sonhei (sim, eu sonho com tudo, eu sonho inclusive com uma ovação de pé nas Varas Criminais após alegações comoventes e consequente abolvição de um inocente qualquer) .

Tive a companhia das minhas amigas e primas, que me proporcionaram a esplêndida experiência de andar num tuk tuk (mata-velhos para novos, em pleno centro de Lisboa), agarrada aos suspensórios do condutor (Diogo, és grande), qual rédeas do melhor cabedal, enquanto ele relinchava(juro!!) e eu gritava histérica "Anda Estrela, Anda!) pelo Bairro Alto fora, enquanto turistas tiravam fotos.

Após um jantar repleto de jogos, nomeadamente o das perguntas ao noivo: "qual o prato que tu cozinhas que o Pedro mais gosta?"  e eu fico absolutamente siderada por ele afinal até gostar de alguma coisa que saia das minhas mão, arrisco: - "Ovos mexidos?". (Na realidade mal sei fritar um ovo, quanto mais mexê-lo). - "Não..., ele escreveu"endívias grelhadas com carpacio de vitela e azeite de nozes!". (ai gosto tanto dele, tem ideias tão engraçadas!).

Enfim, quase no fim do jantar, e por um incrível mero acaso, surge um convite de um cliente meu mânfio, que está preso, e ao saber que estou na despedida de solteira,  convida-nos a visitar um conhecido clube lisboeta de striptease de mulheres, gerido pelo seu irmão também mafioso. ( Não se preocupem, eles não leêm blogues. A sério que não leêm.).

Eu nem hesitei 2 vezes. Tristemente as miúdas partiraram em debandada para casa, a maior parte horrorizadas com o convite. Claro que eu e uma amiga fomos depois para Lisboa, e batemos à porta do clube super emocionadas.

Resumo breve:

- varões com mulheres nuas, cada uma mais bem feita que a outra, tirei montes de notas mentais
- vaginas pelo ar, mamas num virote (mas mesmo todas nuas, com piercings na vagina, e rabos primorosamente depilados)
- Várias despedidas de solteiros, de homens aparentemente normais, de camisa e sapatinhos. (vadios)

(ATENÇÃO GAJAS: Sempre que ele vos disser que FOI SÓ COM OS AMIGOS A UMA DESPEDIDA DE SOLTEIRO sem lap dance ou com lap não interessa, QUASE TODOS levaram com uma (duas, três, quatro sei lá) vagina e um ânus esfregados naquelas caras sebentas de depravados, bem, e o noivo que eu lá consegui descortinar no meio daquele ajuntamento de primatas, (ai Jesus, o que eu vi, pobre noiva, realmente a ignorância é uma benção. Se aquele fossse o meu noivo partia-lhe, no mínimo, com duas garrafa na cabeça e não havia copo-de-água para ninguém).

Mas caras leitoras, de confiam plenamente nos vossos maridos, e eles são absolutamente decentes e sem uma pontinha de lascívia, concedo que tenham saído imediatamente do clube e tenham esperado pelos amigos cá fora. Mas, pelo menos, naquele clube, não vi ninguém de braço cruzado na rua, mas sim todos encavalitados uns por cima dos outros em cima dos sofá, para verem melhor um buraquinho do rabo da stripper e, com algum esforço (nem muito!), levar com uma nalgada ou um pipi muito bem arranjado na cara.

- Éramos as únicas mulheres, e por causa disso acho que fizemos tanto ou mais sucesso do que as outras nuas, uma vez que nos tomaram por um sensual casal de lesbianas e começaram a salivar.

Eu tentei não me rir nem olhar muito, optei por trincar sedutoramente a palhinha da minha coca-cola e flirtar com uma rapariga virada do avesso num varão, pernas no ar e a deslizar pau abaixo, que eu até fechei os olhos, pensei mesmo que ela ia partir logo ali o pescoço. Não partiu, dirigiu-se directamente à nossa humilde mesa e acabei por levar com as mamas dela na minha cabeça e o rabo nos meus ombros.

E depois, a apoteose!! (hihihi, vou-me rir disto para todo o sempre): Ela, com o seu ar sedutor (um bocado simplório para meu gosto),  desafia-me e diz: "Fui uma menina má...". E eu, que acho que sou sempre muito esperta e apanho as indirectas todas no ar, cheguei a mão atrás, ganhei balanço e espetei-lhe com um palmadão no rabo que até se ouviu na cabine do duche!!

Nano-segundos depois, lembrei-me que não lhe podiamos tocar. Houve um pequeno momento de pânico. Preparámo-nos imediatamente para sermos expulsa daquele nobre estabelecimento e eventualmente levar uma sova da brasileira.

Mas nada aconteceu,  a srª stripper após um esgar de surpresa, até sorriu e virou as suas atenções para a minha parceira de lesbianismo esfregando-lhe os peitos de lona no nariz . Ri-me muito porque a minha amiga é do INEM e já viu muita coisa, mas naquele momento estava completamente branca, e depois de levar com as peitaças ainda a outra lhe meteu a mão na camisola e ela começa a escorregar pela cadeira abaixo em aflitivo estado.

Enfim, adorei...

À saída, a minha amiga parou-me, olhou-me nos olhos e disse: "Ganhei todo um novo respeito por ti.  Excelente actriz".

Eu respondi "Eu sei. E nunca, mas nunca na nossa vida, podemos deixar os nossos gajos ir a um clube de strip".

Na realidade o Pedro, na sua despedida de solteiro vai ver o Benfica-Moreirense.

hehehehe que grande toino!